aviação

Lufthansa vai contratar mais 8.000 trabalhadores até final deste ano

Foto: REUTERS/Ints Kalnins
Foto: REUTERS/Ints Kalnins

A Lufthansa vai contratar mais 8.000 trabalhadores até ao final deste ano, metade dos quais são pessoal de cabine, informou a companhia aérea alemã.

A Lufthansa vai contratar mais 8.000 trabalhadores até ao final deste ano, metade dos quais são pessoal de cabine, informou a companhia aérea alemã esta segunda-feira.

Entre as novas admissões previstas para este ano estão 900 pilotos, muitos dos quais formados na própria companhia de aviação germânica, refere a Lufthansa em comunicado.

A companhia aérea, a maior em número de passageiros transportados, ao mesmo nível da empresa de aviação de baixo custo Ryanair, explicou que só nas ligações das cidades alemãs de Frankfurt e Munique, o grupo prevê contratar cerca de 2.500 tripulantes de cabine.

Além disso, só para a sua filial de baixo custo Eurowings, está previsto criar 2.700 novos postos de trabalho.

Uma parte destas vagas serão ocupadas com pessoal oriundo da Air Berlin, companhia aérea que entrou em processo de insolvência e cuja maioria do capital foi adquirido pela Lufthansa.

O presidente da Lufthansa, Carsten Spohr, declarou recentemente, a um órgão de comunicação social alemão, que a companhia espera alcançar um lucro recorde em 2017, bem como um grande resultado em termos de passageiros transportados.

A Lufthansa emprega a nível mundial cerca de 130.000 trabalhadores e vai divulgar resultados de 2017 em 15 de março.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Lufthansa vai contratar mais 8.000 trabalhadores até final deste ano