EUA

Enriqueceu e reformou-se aos 34 anos. Está arrependido?

Bandon, jovem engenheiro e autor do blogue Mad Fientist, trabalhou arduamente e poupou bastante. Tudo o que queria era reformar-se cedo.

Jovem engenheiro trabalhou arduamente e poupou bastante. Tudo o que queria era reformar-se cedo.

Brandon perseguia um único objetivo: juntar o máximo de dinheiro possível para se reformar cedo – muito cedo. E foi o que este norte-americano fez aos 34 anos. Agora, um ano depois, diz-se “em choque” e arrependido por razões mais simples do que se possa pensar.

Prefere não revelar o apelido, por questões de privacidade. Brandon, software developer, é conhecido por ser autor do blogue Mad Fientist, onde partilha dicas de finanças pessoais e lições sobre o conceito de independência financeira. Foi neste espaço pessoal que o engenheiro descreveu o que sentiu durante o primeiro ano da reforma.

Leia também Aos 28 anos, assim é a vida de luxo da herdeira de um multimilionário


“Esta foi uma mudança chocante e, até certo ponto, desconfortável para mim. O dinheiro sempre me motivou durante todo o meu percurso. Trabalhei arduamente na escola para entrar numa boa universidade, só porque queria ter capacidade para arranjar um trabalho que me desse muito dinheiro. Trabalhei afincadamente sempre na esperança de ser promovido e de ganhar ainda mais dinheiro. Cheguei a criar o meu próprio negócio para aumentar os meus rendimentos e ter direito a escolher onde viver, para onde viajar e decidir o que fazer. Tudo se baseou nas contas que fazia sobre o dinheiro que podia ganhar e aquilo que iria gastar”, começa por descrever Brandon.

“Agora que tenho dinheiro suficiente, e até mais do que esperava, já nada disso é importante. Pode parecer muito bom estar nesta posição [de reformado aos 34 anos], mas perder a principal fonte de motivação é incrivelmente desorientador”, desabafa.

Nesta senda, o engenheiro lembra ainda a maior lição que aprendeu e partilha-a com os seus seguidores: “Se pararmos para pensar na quantidade de decisões e de planos que fazemos com base no dinheiro, ficaremos surpreendidos sobre quantas delas são influenciadas por isso”. “Alguns dos projetos que planeei para a altura da reforma eram ideias de negócios. Mas agora que ganhar mais dinheiro não é assim tão apelativo, não vejo qualquer propósito em concretizá-las. Tenho de reavaliar toda a minha vida e todos os meus planos para tentar encontrar uma nova fonte de motivação.”

O caminho até à independência

O truque para atingir a independência financeira de forma tão precoce foi, segundo explica o Business Insider, gerir os seus rendimentos da forma mais eficaz possível. Enquanto trabalhou em Vermont, nos Estados Unidos, Brandon conseguiu poupar cerca de 70% do seu rendimento líquido, o que lhe permitiu abandonar o emprego em 2014.

No entanto, o patrão propôs-lhe, na altura, que este continuasse a trabalhar, mas a partir de casa. Assim foi durante os meses seguintes, até ao dia em que, durante uma viagem com a mulher, o casal optou por se instalar na Escócia, em maio de 2015. Brandon continuou a trabalhar a partir de lá, a escrever no blogue e a poupar. E, por fim, a reforma chegou – de forma definitiva – no verão passado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

Ministro das Finanças, Mário Centeno, na Católica Porto Business School. Fotografia:  Igor Martins / Global Imagens

Mário Centeno quer mais exigência nos benefícios fiscais

Outros conteúdos GMG
Enriqueceu e reformou-se aos 34 anos. Está arrependido?