empreendedorismo

Mais de metade das mulheres portuguesas sonha ter um negócio

10

As mulheres portuguesas são ambiciosas e mais de metade sonha em abrir um negócio. Mas apenas 17% pretende concretizar essa ideia.

Mais de metade das mulheres portuguesas (54%) manifesta o desejo de iniciar o seu negócio independente e 43% afirma que gostaria de abrir um negócio próprio, de acordo com o “Private Business Study”, um estudo internacional divulgado esta quinta-feira, e desenvolvido pela METRO, em 10 países.

Nos motivos que movem este desejo estão a realização pessoal (38%), o facto de poderem ser as suas próprias chefes (33%) e apenas 6% aponta razões económicas.

É fundamental que, no futuro, se criem iniciativas e programas que agilizem estes processos e incentivem o sexo feminino a desenvolver e iniciar negócios independentes”, afirma a CEO Makro Portugal, Tanya Kopps.

Apesar de a percentagem espelhar uma vontade empreendedora no espetro feminino, apenas 17% das mulheres acredita que vai realmente concretizar a ideia num futuro próximo. As mulheres portuguesas referem o aspeto financeiro como o maior impeditivo (56%), seguindo-se a situação económica que o país atravessa (53%), a burocracia (43%), a existência de muitas taxas e impostos (36%) e a falta de aconselhamento (16%).

Leia também: 102 viagens que todos devemos fazer uma vez na vida

A existência de programas governamentais que incentivem e apoiem as mulheres a criar negócios próprios é apontado por 83% das inquiridas como um incentivo. O estudo adianta também que em Portugal apenas 8% das participantes no estudo acredita que é mais difícil para as mulheres ter sucesso num negócio próprio comparativamente com os homens.

10 países inquiridos

No âmbito geral desta investigação, feita em Portugal, Alemanha, França, Holanda, Itália, República Checa, Roménia, Turquia, Rússia e China, uma em cada duas mulheres manifesta o desejo de iniciar o seu negócio próprio (45%) e apenas 12% acredita levar esta ambição avante.

A percentagem de homens que deseja criar um negócio próprio (57%) é ligeiramente superior à percentagem de mulheres (54%). Mais de metade (56%) tem receio de ser tratada de forma injusta nos negócios e 50% afirma que existem ainda muitos estereótipos e que as mulheres são tratadas injustamente em relação aos homens.

Os homens manifestam um desejo ligeiramente superior em criar um negócio próprio (57%) e apenas 2% dos inquiridos considera que os homens têm mais dificuldade em alcançar o sucesso nos seus negócios, sendo que países como França e Turquia apresentam percentagens de 0% neste indicador.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, conversa com Teresa Leal Coelho (ausente da foto), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a audição na Assembleia da República, Lisboa, 21 de março de 2019.  ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Ramalho: “DG Comp não tem particular simpatia pelos bancos portugueses”

António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral

( Gustavo Bom / Global Imagens )

ASF inicia processo de avaliação da idoneidade de Tomás Correia

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Rodrigo Costa: “Já pagámos 127,5 milhões” de CESE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Mais de metade das mulheres portuguesas sonha ter um negócio