Pergunte ao Advogado

Não me pagam as horas de trabalho. O que posso fazer?

work-2005640_1920

Todas as semanas, com a ajuda de quem melhor sabe, o Dinheiro Vivo dá resposta a questões relacionadas com o escritório, os impostos, o trabalho

Tiago de Magalhães, advogado da CMS Rui Pena & Arnaut, responde aqui às questões de Direito Laboral. Envie o seu caso ou dúvida para editorial@dinheirovivo.pt

Pergunta de um leitor: Trabalhei durante seis dias em regime de part-time numa empresa — não assinei contrato portanto estava em período experimental. Preenchi um documento com todas as minhas informações pessoais para fins de segurança social (deduzo eu). Preenchi sempre o livro de horas onde descrevia as horas de trabalho/turnos e assinei todos os turnos que trabalhei. Acontece que não tinha condições para trabalhar, o que levou a minha saída da empresa no dia 10 de fevereiro. Pedi que me fossem pagas as horas que fiz o mais rápido possível (111,36 euros, relativos a 29 horas) e informaram-me o pagamento seria feito até ao fim do mês de fevereiro, porém não recebi no de fevereiro e nem no início de março, nem tive resposta ao contactar a empresa.

Gostaria de saber que direitos tenho e de que forma posso agir para receber as horas que trabalhei.

Caro leitor,

Relativamente à questão por si colocada, e de acordo com os dados que disponibilizou, informamos que uma vez que o seu contrato de trabalho cessou durante o período experimental não terá direito a qualquer indemnização/compensação pela cessação do mesmo.

No entanto, terá direito aos créditos salariais (com as respetivas contribuições para a Segurança Social) pela prestação de trabalho dos dias 5 a 10 de fevereiro, nomeadamente, retribuição e proporcional de subsídio de Natal (este na proporção da duração do seu contrato de trabalho).

Caso tenha prestado trabalho suplementar (de acordo com as regras laborais em vigor) terá direito a essa retribuição especial também.

Note que tem o prazo de 1 ano desde a cessação do seu contrato para poder reclamar créditos laborais em Tribunal.

Caso o não pagamento se prolongue, poderá, numa primeira abordagem, insistir junto da área dos recursos humanos (enviando uma carta por exemplo), tentar obter apoio jurídico-legal junto da Secção do Trabalho do Ministério Público (no Tribunal do Trabalho da sua área de residência), ou ainda, contratar os serviços de um advogado.

Nota: este artigo foi originalmente publicado a 29 março 2019

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Taxa de juro do crédito à habitação cai para 1%

Lisboa, 18/02/2020 - Plenário da Assembleia da República - Debate quinzenal com o primeiro ministro.
Primeiro Ministro António Costa com os restantes ministros que compõem o governo.
Jerónimo de Sousa - PCP
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Jerónimo avisa Costa que “sem aumentos salariais” os “problemas vão aumentar”

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (C), acompanhado pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno e pelo presidente da CP, Nuno Freitas (E), na assinatura do contrato de serviço público entre o Estado e a CP, na Estação do Rossio, em Lisboa, 28 de novembro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

CP escapa a multas por atraso no contrato de serviço público

Não me pagam as horas de trabalho. O que posso fazer?