dicas

Não precisa de gastar uma fortuna para se vestir adequadamente. Siga estes 10 conselhos

Renove o seu guarda-roupa
In Styleland - Image and Communication Consulting."> Renove o seu guarda-roupa

Os descontos são uma excelente oportunidade para comprar aquelas peças que lhe fazem falta ou que "anda de olho" há algum tempo. Aproveite a época das promoções para investir no seu guarda roupa e fazer escolhas inteligentes. Se prefere fazer compras online, uma boa dica é subscrever as newsletters das suas marcas favoritas para estar a par das novidades e das campanhas especiais. Para quem optar por fazer compras nas lojas, tenha em conta os conselhos de Rita Carvalho, consultora de Comunicação e Imagem na In Styleland - Image and Communication Consulting.

1. Faça uma lista de compras e defina um orçamento

Para evitar fazer compras por impulso ou adquirir artigos e depois arrepender-se, nada melhor do que fazer uma lista das peças que tem falta no seu guarda roupa. Analise quais são as suas necessidades, antes de ir às compras. Sobretudo, para não chegar a casa e verificar que já tem uma camisola igual ou que já tem cinco calças pretas. Estabeleça também um orçamento máximo e evite ultrapassar este valor.

2. As peças solteiras e desajustadas

Por certo, já comprou uma peça, que depois de chegar a casa verificou que não combina com nada do que tem ou então que não se adequa ao seu estilo de vida. Resultado: o mais provável é que o artigo fique pendurado no cabide ou esquecido numa gaveta, sem nunca o usar. Pode ser um lenço, um colar, uns sapatos ou uma peça de vestuário. Na hora de comprar, responda a estas perguntas: Tenho falta desta peça? Posso conjugar com as outras que já tenho? Adequa-se ao meu dia a dia e idade? Favorece o meu tipo de corpo? Em que ocasião devo usá-la? Qual o tipo de lavagem e cuidado que tenho de ter?

3. O tamanho certo

Nas promoções é habitual que os tamanhos fiquem muito escolhidos e que tenha a tentação de comprar um número acima ou abaixo para aproveitar o preço. Nada mais errado, pois a peça vai ficar apertada e sentir-se desconfortável ou então demasiado larga e dar-lhe um aspeto desleixado. Se não tiver o seu tamanho é preferível não comprar, a não ser que esteja disposto a fazer pequenos acertos com a ajuda de uma costureira ou alfaiate. Outro erro é comprar um tamanho a contar com os quilos que vai perder após uma dieta. Seja realista.

4. Invista em peças básicas e de qualidade

Aproveite para comprar aquelas peças de marca, que estão fora do seu orçamento. Os descontos são uma excelente oportunidade para investir nuns sapatos, numa mala ou em básicos de qualidade, que vão perdurar no seu guarda roupa durante muito tempo e dar-lhe um visual mais sofisticado. Uns sapatos ou uma mala de pele, um fato ou blazer, um casaco de cabedal ou um vestido clássico são boas opções. Invista em materiais de qualidade, com um corte impecável e em modelos clássicos. Não se esqueça que as peças tendência passam de moda e ficam desatualizadas.

5. Verifique se a peça não tem defeitos ou manchas

Antes de comprar, certifique-se que a peça não está em mau estado, apresentando defeitos ou manchas. A legislação atual determina que se o consumidor comprar um bem com defeito, o comerciante está obrigado a reparar, efetuar a troca (substituição) ou o reembolso do valor do bem. No entanto, durante o período de vendas com redução de preço, os comerciantes podem vender produtos com defeito, desde que este esteja devidamente identificado, através de rótulos ou etiquetas que indiquem de forma precisa qual é o defeito. O consumidor deve guardar sempre o recibo da compra para uma eventual reclamação.

6. Saiba qual é o desconto real

Por vezes, as montras anunciam um desconto até uma determinada percentagem, induzindo o consumidor em erro. Verifique na etiqueta qual a redução real do artigo para saber se está a fazer um bom negócio, analisando o preço anterior e o atual.

7. Decida no momento

Se encontrar uma peça, que reúna as condições que enumeramos e que seja um bom investimento não vá para casa pensar no assunto. Em época de saldos, as peças desaparecem com facilidade e corre o risco de não a voltar a encontrar.

8. Experimente antes de comprar

O melhor será experimentar a peça e só comprar se esta lhe ficar bem, servir e não tiver defeitos. Muitas vezes, as filas para os provadores são tão grandes, que desmotivam a experimentação. Se tiver pouco tempo ou paciência assegure-se que a loja efetua trocas ou reembolsos e respeite as condições de cada espaço comercial.

9. Trocas ou reembolsos de artigos

A troca, substituição ou reembolso só são obrigatórios se o bem tiver defeito. No entanto, algumas lojas facilitam aos consumidores estes direitos, mesmo não sendo obrigados por lei. Esteja atento ao prazo de validade, às condições de troca ou reembolso e guarde sempre o recibo de compra.

10. Não tenha receio de reclamar se a lei estiver do seu lado

Saiba que existem organizações que defendem o consumidor, em caso de violação de direitos ou de reclamação. Informe-se primeiro se o lojista está a infringir a legislação existente e não hesite em apresentar queixa se tiver motivo para tal. Consulte o Portal do Consumidor ou a linha telefónica de atendimento ao consumidor 707 788 787. Pode também contactar a DECO – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor.

Por fim, se pretender ter a ajuda de uma profissional para rentabilizar as suas compras e assegurar-se que toma as melhores decisões, marque uma sessão de personal shopping.

Veja mais conselhos no blog de Rita Carvalho ou na página de Facebook da consultora de Comunicação e Imagem.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Não precisa de gastar uma fortuna para se vestir adequadamente. Siga estes 10 conselhos