Pergunte ao Advogado

O meu salário incluía comissões. É legal cortarem-nas?

Trabalho

Todas as semanas, com a ajuda de quem melhor sabe, o Dinheiro Vivo dá resposta a questões relacionadas com o escritório, os impostos, o trabalho

Tiago de Magalhães, advogado da CMS Rui Pena & Arnaut, responde aqui às questões de Direito Laboral. Envie o seu caso ou dúvida para editorial@dinheirovivo.pt

Pergunta de um leitor: A minha retribuição é composta de uma parte fixa e outra variável — vulgo comissões. Até meados de 2013, essa comissão era de 1%, independentemente do valor das vendas, acrescida de mais 0,1%, 0,2% ou 0,3% acima de valor das vendas previamente estabelecido pela direção comercial. Reafirmo que 1% era sempre garantido. Depois de 2013, foi comunicado em reunião e sem qualquer consentimento por escrito que a partir dessa altura as comissões iriam passar para 0,75% acrescidas de prémios por objetivos e por itens de produtos, podendo chegar ou até ultrapassar os 1%.

É lícita esta situação? E uma vez que remonta a 2013, ainda estou a tempo de exigir o pagamento das diferenças a que penso ter direito?

Caro leitor,

Relativamente à questão que coloca, mais precisamente, se é legítima ou não a redução do valor atribuído a título de comissões, informamos que, por regra a retribuição de um colaborador está sujeita ao princípio da irredutibilidade salarial, prevendo ainda a nossa lei algumas exceções.

Acresce ainda que nem todas as quantias que se auferem mensalmente são necessariamente consideradas retribuição, pelo que podem não ficar sujeitas a este princípio.

Há perguntas proibidas numa entrevista de trabalho. Saiba mais aqui

Por forma a podermos dar uma resposta mais assertiva, seria necessário analisar todo o histórico e documentação existente acerca dos pagamentos que lhe foram feitos a este título.

Por outro lado, informamos que o crédito de empregador ou de trabalhador emergente de contrato de trabalho, da sua violação ou cessação prescreve decorrido um ano a partir do dia seguinte àquele em que cessou o contrato de trabalho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: DR

Parpública avança com venda dos terrenos da antiga Lisnave

O ministro das Finanças, Mário Centeno, durante o debate sobre o Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas, na Assembleia da República, em Lisboa, 24 de abril de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Excedente orçamental de 884 milhões no primeiro trimestre

Filas de táxis nas chegadas do Aeroporto Humberto Delgado em Lisboa. (Filipa Bernardo / Global Imagens)

Táxis: Câmara de Lisboa quer tarifa única para aeroporto

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
O meu salário incluía comissões. É legal cortarem-nas?