Emprego

Portuguesa Critical Software quer contratar mais de 300

Critical Software nasceu em Coimbra em 1998. Fotografia: Fernando Fontes / Global Imagens
Critical Software nasceu em Coimbra em 1998. Fotografia: Fernando Fontes / Global Imagens

Desde o início do ano a empresa já contratou mais de 100 colaboradores e abriu novos espaços em Évora, Tomar, Vila Real e Viseu.

A Critical Software quer contratar mais de 300 trabalhadores até ao final do ano, adiantou fonte oficial da tecnológica nacional. A empresa liderada por Gonçalo Quadros fechou o ano passado com um volume de negócios de milhões, uma subida de 12% face a 2016, impulsionado pelas operações internacionais no Reino Unido e Alemanha.

“Desde o início do ano a Critical já contratou mais 100 pessoas e até ao final de 2018 prevê contratar mais de 300”, adiantou fonte oficial da empresa ao Dinheiro Vivo. Procuram, “sobretudo engenheiros especializados desenvolvimento de software, nomeadamente Java (Frontend e Backend), .Net, Embedded Systems, e Quality Assurance” para preencher ofertas disponíveis nos escritórios de Coimbra, Lisboa, Porto, Vila Real, Viseu, Tomar e Évora.

Fundada em 1998, a Critical tem escritórios no Reino Unido, Alemanha, Estados Unidos e Portugal (Coimbra, Lisboa e Porto) e acaba de abrir novos espaços em Évora, Tomar, Vila Real e Viseu.

Os interessados podem obter mais informação na área de recrutamento da empresa. No site estão ainda disponíveis ofertas para os escritórios no Reino Unido e Alemanha.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa, primeiro-ministro português, em Bruxelas. EPA/CHRISTIAN HARTMANN / POOL

O que já se sabe que aí vem no Orçamento para 2020

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os 0,3% que acabaram com a paz entre função pública e governo

Marcelo Rebelo de Sousa, Christine Lagarde e Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/LUSA

Centeno responde a Marcelo com descida mais rápida da dívida

Outros conteúdos GMG
Portuguesa Critical Software quer contratar mais de 300