aviação

Sindicato e partidos acusam Governo de não agir no caso Ryanair

Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas em audição ao SNPVAC
Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas em audição ao SNPVAC

A administração da Ryanair recusou estar presente na CEIOP. SNPVAC pede uma atitude urgente ao Parlamento. BE estranha silêncio do Governo

A falta de ação do Governo português relativamente à situação laboral dos trabalhadores da Ryanair com base em Portugal foi severamente criticada no primeiro dia de audições na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas (CEIOP), pedida pelo Bloco de Esquerda, sobre a política laboral da transportadora low-cost. O Sindicato Nacional Do Pessoal De Voo Da Aviação Civil (SNPVAC) estreou a cadeira dos convidados e a presidente da estrutura sindical, Luciana Passo, apontou o dedo à inação governativa.

“Nós falamos com o Governo, não vi nada feito. Nunca vi os contratos da Ryanair com o Governo nem sabemos em que moldes opera em Portugal e os benefícios que recebe. Por que é que o Governo português deixa que os portugueses sejam tratados desta forma em Portugal?”, questionou.

Também o deputado bloquista, Heitor de Sousa, sublinhou a ausência de esclarecimentos. “É estranho seis meses depois dos primeiros acontecimentos ainda não ter havido nenhuma resposta política. Há um silêncio estranho”, referiu.

Leia também: Ryanair recusa audição na AR. Nova greve em setembro afetará Portugal

O partido socialista questionou o SNPVAC sobre o desenvolvimento das conversações com a companhia liderada por Michael O’Leary mostrando-se disponível para ser um elo mediador.

“Não precisamos de um Governo mediador mas de um Governo que faça cumprir a lei” reiterou o deputado do PCP, Bruno Dias. “Até hoje continuamos a aguardar aqui na Assembleia da República o desfecho sobre um tema que envolve alguém que se acha acima da lei”, comentou.

Sindicato exige cumprimento da lei nacional

As condições salariais, o direito de usufruto de licenças de parentalidade, o fim dos processos disciplinares com base nas baixas médicas ou nos objetivos inerentes às vendas de bordo, são algumas das reivindicações que o SNPVAC esclareceu na CEIOP.

“É inaceitável que em 2018 não se tenha direito à parentalidade, é inaceitável que não se tenha direito a um salário mínimo nacional, é inaceitável que os trabalhadores sejam punidos por estarem doentes”, lamentou Luciana Passo.

Leia também: Maior greve da Ryanair será definida em Roma. Tripulantes e pilotos negoceiam

O advogado que representa a estrutura sindical, Pedro da Quitéria Faria, sublinhou a urgência de realizar um Acordo Coletivo de Trabaho (ACT) entre a Ryanair, a Crewlink, a Workforce e o SNPVAC. O advogado recorreu a um paralelismo entre a Ryanair e a britânica easyjet. “Esta companhia concorrente da Ryanair, quando entrou em Portugal, conformou-se com a Constituição, adaptou-se às regras do Código do Trabalho português e convidou o sindicato para fazer um ACT. Até agora tiveram zero greves”, comparou.

Luciana Passo apelou à tomada de ação por parte dos deputados e do Governo na resolução do braço-de-ferro entre a low-cost irlandesa e os trabalhadores. “As pessoas desta casa que foram eleitas por nós e o Governo têm de atuar, caso contrário isto é uma república das bananas em que se faz o que se quer nada acontece”.

Ryanair não vai prestar esclarecimentos na Assembleia da República
A companhia liderada por Michael O’Leary informou, através de carta, que não estaria presente na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas o que levou o BE a apresentar, esta quarta-feira, 5, um protesto formal no Parlamento. “É um bocado estranho que uma entidade que está envolvida numa série de acontecimentos no território português se recuse a estar presente para dar explicações. À administração da Ryanair sobra na arrogância aquilo que falta na seriedade”, acusou o deputado bloquista Heitor de Sousa na sua intervenção na CEIOP, durante a tarde desta quarta-feira.

Leia também: Ryanair admite despedir em ‘qualquer mercado’ e ameaça tripulantes portugueses

As audições, que foram solicitadas pelo Bloco de Esquerda, em abril deste ano, irão prosseguir no mês de setembro às restantes entidades convocadas como a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), a Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) e a ANA Aeroportos.
No greve europeia definida sexta-feira

Na próxima sexta-feira, 7, Roma, em Itália vai ser o palco onde se irão reunir os sindicatos que representam tripulantes e pilotos da Alemanha, Bélgica, Espanha, Holanda, Irlanda, Itália e Portugal para definir os parâmetros de uma nova paralisação conjunta. A nova greve europeia deverá acontecer ainda neste mês de setembro. “O objetivo já está previamente delineado. A reunião serve para definirmos as questões estruturais. Os dias de greve já estão alinhavados. Contamos que sejam pelo menos dois dias, mas poderão ser mais”, referiu o representante do SNPVAC, Bruno Fialho, ao Dinheiro Vivo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Sindicato e partidos acusam Governo de não agir no caso Ryanair