Emprego

Sonae não atrai recém-licenciados em TI com salários de mil euros

Instalações da Sonae
Instalações da Sonae

É cada vez mais difícil conseguir recrutar jovens talentos especializados em tecnologias de informação. Há escassez de mão-de-obra e a procura é grande, explicam os especialistas. Empresas começam a investir na formação

A Sonae tinha dez vagas de emprego para tecnologias de informação. Oferecia 1000 euros por mês, mais subsídios… não conseguiu preenchê-las. As TI estão no auge, as faculdades portuguesas, que todos os anos libertam centenas de jovens talentos, não respondem à crescente procura. E há já empresas estrangeiras a virem contratar a Portugal os profissionais mais qualificados. “Mil euros é praticamente o salário mínimo a pagar na área”, frisa Paulo Ayres, manager de TI na Spring Professional Portugal. “A escassez de mão-de-obra está a gerar uma grande pressão salarial”, acrescenta Victor Pessanha, manager na Hays.

Na fase de candidaturas, “tínhamos uma pool grande, mas não conseguimos preencher as dez vagas”, reconhece Ana Vicente, talent manager da Sonae. O grupo presidido por Paulo Azevedo, que desde 1986 promove o Programa Contacto, uma iniciativa que visa captar talentos com diferentes formações para o grupo, oferecia um estágio de nove meses aos jovens selecionados e uma remuneração de 1000 euros, a que acresce subsídio de almoço e benefícios de colaborador.
“A procura de perfis tecnológicos tem ganho uma relevância cada vez maior na Sonae. É uma necessidade transversal a todo o mercado de trabalho, o que levanta uma guerra de talento, onde a oferta e a procura estão desequilibradas”, justifica Ana Vicente.
“Há efetivamente uma falta de mão-de-obra na área das TI”, realçou Inês Buekenhout, consultora de TI & Digital Division da Robert Walters Portugal. E, diz Paulo Ay-res, “se o número de candidatos nesta área duplicasse ainda continuaria a existir procura por parte das empresas”.
As consultoras de recrutamento contactadas pelo DN/Dinheiro Vivo têm dificuldade em quantificar as necessidades do mercado de trabalho, mas Andreia Pereira, senior manager da Michael Page, não tem dúvidas em afirmar que, neste momento, são “as empresas que concorrem pelos candidatos e não o contrário”. Nas suas contas, o setor de TI deverá criar 15 mil postos de trabalho nos próximos cinco anos só no Porto, cidade que tem vários investimentos nesta área.

Victor Pessanha, manager na Hays, recorda que “o processo natural de digitalização da economia e uma forte tendência de deslocalização de centros de competência e inovação tecnológica para Portugal” estão a provocar “escassez de mão-de-obra e uma grande pressão salarial”. Também Pedro Amorim, managing director da Experis, frisa que o país “está na moda e há uma forte tendência para captarmos investimentos na área tecnológica” e, por isso, “assistimos a uma verdadeira escassez de talentos”. Essa falta é sentida com acutilância na área da cibersegurança, programação, business intelligence e data science.

Mais e melhor
Como captar e reter talento? Um plano de progressão de carreira e salário atrativo são as soluções mais valorizadas pelos jovens, mas o ideal é serem acompanhadas por benefícios como a flexibilidade de horários, incorporando o trabalho remoto, um ambiente de trabalho divertido e descontraído, formações contínuas e desafios, projetos inovadores. Salários de 1000 euros são “salários de entrada” e “os nossos profissionais são altamente cotados no mercado estrangeiro, retê-los em Portugal é um desafio”, diz Pedro Amorim. Irlanda, Alemanha e Estados Unidos são os principais destinos dos jovens especializados em TI.

Muitas empresas estão assim a apostar no lançamento de academias de formação internas. A Glintt, empresa de serviços tecnológicos na saúde, já abriu inscrições para a terceira edição da Academia Glintt, um programa de formação remunerado, com salários entre os 730 e os mil euros, que visa responder às necessidades de recursos humanos da empresa, inclusive na área das TI, diz Inês Viana Pinto, gestora dos recursos humanos. A Glintt, que procura também reconverter jovens de outras áreas de formação para as tecnologias de informação, assume que o objetivo da academia é reter esses talentos na empresa.

O programa Contacto da Sonae segue a mesma filosofia. Os jovens selecionados (este ano, foram submetidas mais de 800 candidaturas para 75 vagas) são acompanhados ao longo dos nove meses pelos diretores de departamento, de forma a desenvolverem competências profissionais e expandirem a rede de contactos dentro do grupo. A meta é conseguir reter o máximo de estagiários. No ano passado, a taxa de retenção dos participantes rondou os 70%. “Os estágios são remunerados em linha com os valores de mercado”, e a Sonae está atenta e procura ter “uma proposta de valor ajustada e relevante”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Margarida Matos Rosa, presidente da Autoridade da Concorrência

Tiago Petinga/Lusa

Concorrência acusa 5 seguradoras e 14 administradores de formarem um cartel

Turismo. Fotografia: REUTERS/Nacho Doce

Excedente comercial nacional afunda mais de 68% no 1º semestre

empresas

Quando o nome de família trava o crescimento das empresas

Outros conteúdos GMG
Sonae não atrai recém-licenciados em TI com salários de mil euros