fazedores

Sonho de criança resultou num dicionário de língua gestual e empresa para surdos

Ana Bela Baltazar.  Fotografia: Pedro Kirilos / Global Imagens
Ana Bela Baltazar. Fotografia: Pedro Kirilos / Global Imagens

Ela é o rosto diário da Língua Gestual Portuguesa no Jornal da Tarde da RTP

Ana Bela Baltazar, em criança, gostava de aprender línguas e de turismo. 40 anos depois foi precursora na Língua Gestual Portuguesa (LGP), criou uma empresa única na Europa para surdos e colabora regularmente com a Justiça.

A caixinha no canto inferior direito do ecrã de televisão mostra diariamente, à hora de almoço, no Jornal da Tarde da RTP, uma intérprete de LGP que traduz para os surdos as notícias do dia. Ela é Ana Bela Baltazar, cuja paixão pela tradução faz com que hoje “nunca saiba o que vai fazer no dia seguinte” de tal forma é solicitada na “missão” de auxiliar pessoas com deficiência auditiva.

Em entrevista à Lusa, confessou que a LGP “foi paixão à primeira vista”, assim que começou a colaborar na Associação de Surdos do Porto (ASP), investindo depois na formação, tornando-se intérprete para rapidamente começar a colaborar com a Justiça nesse ramo.

E se na juventude, em Moçambique, desejou seguir línguas e gostava do turismo, Ana Bela Baltazar seguiu o ser percurso quase à velocidade com que se apercebia das lacunas para com os surdos, investindo “mais tarde no mestrado em psicologia clínica para os ajudar”.

“Normalmente, eles não só não recorrem a psicólogos, mas também têm até uma certa aversão, pois não se fazem entender”, relatou a especialista.

No início da década de 1990 começou a colaboração com a Justiça, acompanhada, durante alguns anos pelo ensino, como intérprete em sala de aula, antes de ingressar na RTP Porto.

Questionada sobre o que lhe dá mais gozo fazer, elegeu a televisão e a Justiça, ainda que por razões diferentes, embora em ambas o altruísmo esteja bem vincado.

“Na televisão são os diretos. É para mim um desafio acompanhar o ritmo da apresentação das notícias e estar a par delas. Por outro lado, isso obriga-me, em termos de LGP a não estagnar, pois tenho de estar em evolução contínua para acompanhar os novos termos. É um crescimento diário”, descreveu.

Quanto à Justiça, os desafios são diferentes, pois obriga-a a ter de deslocar-se “para qualquer parte do país, ilhas inclusive, sem nunca saber quem vai encontrar”, se pessoas que “dominam a LGP ou que nada sabem dela”, disse.

“Quando assim é, tenho de recorrer à comunicação total, arranjando recursos para passar a minha mensagem e para ser interpretada”, disse, falando ainda num esforço que nem sempre é bem-sucedido, mas que a experiência a faz recorrer a novas ferramentas, como seja “deslocarem-se ao local do crime, fazer a reconstituição e, dessa forma, obter a perspetiva do surdo”.

Considerando-o um trabalho “gratificante, apesar das dificuldades”, salientou a intérprete que “mais do que numa escola”, consegue-se nesta colaboração “mudar a vida das pessoas, dando-lhe voz e permitindo-lhes testemunhar um crime que alguém pudesse pensar ficar encoberto pelo silêncio destes”.

O julgamento do ‘Gangue do Multibanco’, em 2012, foi a colaboração mais demorada com a Justiça que teve, por um dos arguidos ser surdo, tendo estado três meses seguidos a colaborar nas audiências com o Tribunal de Oliveira de Azeméis.

Autora, em 2018, do primeiro dicionário online de LGP, diz que o fez “para acompanhar o primeiro documento nascido em 2010”, em que também interveio, explicando que a segunda versão “resultou da observação da dificuldade que os surdos têm em interpretar frases simples”, fazendo acompanhar a “palavra escrita com o gesto em LGP, alargando-lhes, assim o conhecimento lexical”.

Em 2016 consumou o segundo desejo de criança, criando a primeira empresa de Europa de turismo para surdos, a ‘Handstodiscover’ (mãos para descobrir), uma forma de contornar um “turismo inclusivo que menciona sempre as barreiras físicas, mas se esquece das outras”, criticou.

Tendo como base a ‘international signs’ (gestos internacionais) “com que os surdos de diversos países comunicam entre si quando de nacionalidades diferentes”, a empresa já “cresceu para Lisboa” e tem como “aposta atrair os mercados dos Estados Unidos e do Canadá”, concluiu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Sonho de criança resultou num dicionário de língua gestual e empresa para surdos