Tatuagens e piercings no trabalho: sim ou não?

ng3863267

A opinião não é consensual, mas hoje em dia já não existe uma imagem tão negativa em relação às tatuagens e aos piercings, por parte dos recrutadores e dos empresários.

Em algumas áreas profissionais existe uma postura mais flexível e os colaboradores têm uma maior liberdade de expressão. Contudo, deve ter em conta alguns aspectos importantes e tentar adaptar estes adereços pessoais ao contexto profissional.

As tatuagens pequenas, atrás da orelha, no tornozelo, ou no braço, que ficam cobertas pelas calças ou camisa, são muito comuns e, regra geral, não são grande motivo de preocupação. Mas desenhos em regiões como as mãos, o rosto e o pescoço podem ser um obstáculo no universo corporativo, pois nem todas as empresas aceitam estes adereços. Por isso, se trabalha num escritório de advocacia, numa empresa de consultoria ou de auditoria, na área da saúde ou está em contacto directo com o público, evite tatuar as zonas do corpo que ficam visíveis.

Lembre-se de que os desenhos e os “brincos”, por mais discretos que sejam, não agradam a todos. Como tal, questione-se se a área do corpo em que vai fazer a tatuagem ou colocar um piercing pode influenciar a sua carreira e quais as possíveis consequências. Não se esqueça de que a tatuagem é definitiva e que vai ter de adaptar a sua vida em relação a esta opção. Por isso, nada melhor do que perguntar ao seu chefe quais são as regras da empresa, antes de tomar esta iniciativa.

Entrevista de emprego

Além da formação académica, das competências e da experiência profissional, os recrutadores avaliam a sua imagem e comportamento. Em algumas áreas profissionais, os piercings e as tatuagens são vistos como uma atitude de rebeldia, agressividade e inconformismo. Se pretende usar estes adereços pessoais de forma visível no seu dia-a-dia, então seja honesto e deixe bem claro este ponto de vista na entrevista de trabalho, de modo a evitar futuros problemas e situações desagradáveis.

Muitas empresas têm uma política específica e é bom esclarecer a situação antes de ser contratado. Esta questão depende da cultura da empresa e do tipo de função que irá desempenhar, pelo que é importante estar informado e prevenido. Lembre-se de que o recrutador vai avaliar se o candidato enquadra nos padrões exigidos pela empresa e, como tal, deve ter consciência que certas imagens podem não ser bem aceites.

Evite usar um piercing, antes de saber qual é a política da empresa, e cubra a região tatuada com roupas. Além disso, esteja preparado para ter de retirar o piercing quando vai trabalhar, se for necessário. A sua capacidade de adaptação ao contexto profissional é fundamental.

Contexto Profissional e Grau de Formalidade

Como já foi referido, a aceitação das tatuagens e dos piercings depende da área profissional e do grau de formalidade da empresa. Em áreas como o Design, Web Design, TI, Publicidade, Comunicação, Arquitectura, Moda e Artes, existe um ambiente mais informal e uma maior liberdade criativa. Contudo, em contextos mais conservadoras ou de contacto com o público, como Saúde, Direito, Economia, Ensino, Engenharia e Turismo, estes adereços não são bem vistos.

Neste caso, as empresas podem solicitar aos seus funcionários, que cubram as áreas de pele tatuadas e retirem os piercings, deixando a decisão final ao seu critério. Assim sendo, terá de analisar se prefere usar os adereços em qualquer ocasião ou garantir uma oportunidade profissional. Como tal, faça tatuagens e piercings, que possam ficar escondidos com a roupa ou o cabelo, e que os possa facilmente retirar, exibindo-os apenas nos seus tempos de lazer.

Contudo, um perfil mais agressivo também pode ser bem encarado nas empresas, sobretudo na área comercial e de vendas. Pode, ainda, revelar outras características positivas da personalidade, como a criatividade, a inovação e uma atitude liberal.

Clientes e Público

Avalie que tipo de pessoas ou clientes tem de se relacionar no desempenho das suas funções. Esta é uma questão muito importante. Se a sua profissão implica reuniões com clientes, apresentações em público ou uma presença constante em eventos profissionais, então tem de estar preparado para camuflar as tatuagens ou retirar os piercings. No entanto, nas empresas com um perfil ou que lidam com um público mais jovem, esta pode ser uma característica bem aceite.

Zonas do Corpo e Dimensão

Uma boa forma de se proteger é escolher zonas do corpo para tatuar, que possam ficar cobertas com a roupa e manter este seu lado em privado. Além disso, quanto maior e mais visível for a sua tatuagem, maior será o impacto que irá provocar.

Além disso, as tatuagens em excesso e muito visíveis podem revelar uma pessoa que pretende chamar a atenção dos outros. O que pode ser interpretado como a procura de reconhecimento de um grupo ou uma projecção do que gostaria de ser.

Tenha sempre em mente, que em determinados ambientes profissionais não é permitida a sua exposição e que tal pode afectar de forma negativa a sua carreira.

Por Rita Carvalho

Consultora de Comunicação e Imagem

In Styleland – Image and Communication Consulting

Blogue:www.instyleland.com

Facebook: https://www.facebook.com/InStyleland

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Tatuagens e piercings no trabalho: sim ou não?