Tem a certeza que o seu CV fica no topo da pilha?

Sabe fazr um bom CV?
Sabe fazr um bom CV?

Uma
busca no Google por currículos produz 24,3 milhões de resultados
(résumé chega a 178 milhões). Se procurar “cão”, surgem
6,1 milhões – o que mostra que o documento sobre experiência
profissional é mais popular do que o melhor amigo do homem. O que
nos diz isto? Nada. Tal como a maioria dos currículos.

Procura emprego? Eles ajudam. Leia aqui

“Resolução
de assuntos e implementação de ideias”; “Participação
em reuniões para desenvolver estratégias e assegurar o sucesso”;
“Líder experiente com qualidades de relacionamento
interpessoal”. O quê?


mais empregos a desaparecer do que a serem criados e uma vaga recebe
dezenas, se não centenas, de candidaturas. Mas o receio de incluir
algo que faça que o nosso CV seja desprezado leva-nos a não dizer
absolutamente nada. Quem analisa currículos teria mais informação
se lesse folhas de chá – e acaba por criar regras arbitrárias para
selecionar candidatos. Eu mesmo já o fiz: currículos em que
travessões não se distinguiam de hífenes eram postos de lado. Os
traços são reflexo de maior ou menor talento? Não sei, mas
rejeitava os candidatos com o argumento de que, se não viam as
inconsistências, não eram ideais para gerir um projeto de milhões.

A
melhor forma de manter o seu currículo em cima da mesa de
candidaturas é incluir nele o máximo de informação com o mínimo
de peculiaridades. Quer sobreviver tempo suficiente para ser chamado
à entrevista, siga estes oito conselhos.

1.
Acerte a formatação

Alinhe
pontos, datas, cabeças de página. Espaçamentos irregulares vão
levantar questões sobre a sua personalidade que nada têm que ver
com a sua capacidade e talento.

2.
Date toda a informação

Se
esteve afastado um tempo, explique-o na carta de apresentação, mas
tenha o cuidado de incluir a data de início e fim de cada emprego e
formação – sob pena de parecer descuidado; ou pior, manhoso.

3.
Escreva palavras-chave

A
primeira prova que o seu currículo tem de passar são os recursos
humanos. Para ter a certeza de que é aprovado, inclua expressões
referidas no anúncio de emprego – “formação em marketing de
guerrilha”, “mestrado em Gestão de Negócios
Internacionais”, “experiência em mercados e ativos
financeiros”- enfim, tudo o que o possa valorizar (sem mentir).

4.
Use verbos concretos

“Dei
assistência”, “passei”, “contribuí” pouco
dizem sobre o que realmente andou a fazer. Opte por “escrevi”,
“desenhei”, “criei”, “geri”. Quanto
mais específico, melhor.

5.
Adapte o currículo

Cada
emprego é diferente e o currículo deve refletir isso. Se está a
concorrer para programador informático, acha que o seu possível
futuro chefe quer saber do ano que passou a estudar Teatro? Dê
prioridade ao mais relevante para o cargo.

6.
Inclua objetivos de vida

Além
das ambições profissionais, pode revelar interesses pessoais, mas
apenas se souber que serão valorizados. O seu futuro chefe adora
esquiar, deixe passar numa frase o seu gosto por desportos de
inverno.

7.
Seja conciso

Quanto
mais tempo passado, menos a informação é necessária – esqueça os
20 bullets sobre o primeiro emprego. Só se tiver informação útil
é que se justificam mais de três páginas. Um CEO não escreve “fiz
reuniões” e “atribuí projetos”; diz apenas “geri
a empresa X”. Uma frase basta.

8.
Zero gralhas

O CV
é como a casa de banho de um restaurante. Como diz Anthony Bourdain,
é o que todos veem – se não está limpa, imagine a cozinha!

David
Silverman/HBR

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: Mário Cruz/Lusa

Investimento público dispara à boleia de estradas e gastos militares

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Tem a certeza que o seu CV fica no topo da pilha?