“Voulez-vous travailler en Suisse?” Quer trabalhar na Suíça?

Com a Europa em crise, emigro para onde?
Com a Europa em crise, emigro para onde?

A sala do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) era pequena para os três ‘stands’ e, acima de tudo, para o grande número de pessoas que se amontoava enquanto aguardava a sua vez. Homens e mulheres, recém-licenciados ou já às portas da reforma, esperavam falar alguns minutos com responsáveis de uma empresa de construção, de um instituto de recrutamento de enfermeiros e da Rede Europeia de Emprego (EURES). O objetivo: uma oportunidade de trabalho na Suíça, país que conta com uma comunidade portuguesa na ordem dos 170 mil.

“Voulez-vous travailler en Suisse?” (Quer trabalhar na Suíça?) foi o repto lançado pelo IEFP no dia 24, em articulação com a EURES, aos mais de 50 participantes no “Jour de la Suisse 2012”, uma iniciativa que “pretende dar a conhecer as duas partes” do mercado de trabalho europeu, explica ao Dinheiro Vivo a diretora dos Serviços de Colocação do IEFP Alice Brandão. “Somos a intermediação entre perspectivas e necessidades”, sintetiza.

Há dois objetivos principais para os participantes no “Jour de la Suisse”: “serem informados a nível geral do que é trabalhar na Suíça, como por exemplo o nível do custo de vida” e espera-se que “as entidades [presentes] os contactem conforme as necessidades”.

A edição do evento foi direcionada para a construção civil e para a enfermagem. Os trabalhos começam com uma conferência sobre o tema “Viver e Trabalhar na Suíça”, onde são dadas informações relevantes sobre aquilo que pode esperar os candidatos aos empregos; de seguida há um colóquio destinado especificamente ao recrutamento de enfermeiros no país.

A par das comunicações há um atendimento especializado por parte das duas empresas presentes, a Ikairo, de construção, e a Assisteo Suisse, de enfermagem, e ainda pela EURES Suisse.

A Ikairo é uma empresa de trabalho temporário que se concentra sobretudo em atividades de baixa qualificação, desde serventes a carpinteiros. A Assisteo procura profissionais de saúde para prestar serviços em hospitais, clínicas e lares na Suíça, garantindo ainda aos trabalhadores alojamento e acompanhamento gratuito.

A procura por este tipo de eventos é demonstrada pela própria frequência com que o IEFP os organiza. De uma forma geral, são anuais, mas Alice Brandão prevê uma maior insistência em iniciativas do género. O último “Jour” foi há apenas 4 meses e 32 pessoas já foram colocadas no princípio de março. A edição de hoje teve um grande número de inscritos, tendo até havido uma seleção prévia.

A intermediação feita pelo IEFP e pela EURES visa evitar a emigração desordenada. São cada vez mais aqueles que enveredam pela emigração sem qualquer segurança, correndo mesmo riscos de vida. “Há muitos portugueses a chegar a países nórdicos que acabam a bater à porta do Exército de Salvação Nacional”, lamenta Alice Brandão.

Em maio está já planeado o “Dia do Engenheiro”, a decorrer no ISEL, e que vai contar com 40 empregadores da Noruega, Dinamarca, Reino Unido, Suécia e Bélgica.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Robin Wright, fotografada por Peter Lindbergh. Fotografia: D.R.

Pirelli. O calendário volta a surpreender

Apple em trabalhos com Bruxelas.  REUTERS/Chance Chan/File Photo    GLOBAL BUSINESS WEEK AHEAD PACKAGE - SEARCH "BUSINESS WEEK AHEAD JULY 25" FOR ALL IMAGES

Apple. Portugal vai averiguar há lugar a liquidação de impostos

francesinha IKEA

IKEA. E os suecos renderam-se à francesinha

Fotografia: Tim Wimborne/Reuters

A partir de hoje há novas regras sobre neutralidade de rede

Os 22 melhores hotéis portugueses por menos de 120 euros

22 hotéis portugueses que tem mesmo de visitar

arranjar emprego

Gig economy. A nova moda do mercado laboral não serve a Portugal

Conteúdo Patrocinado
“Voulez-vous travailler en Suisse?” Quer trabalhar na Suíça?