Coronavírus

Bares e discotecas não querem funcionar como pastelarias ou cafés

(Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens)
(Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens)

Medida é inviável para a Associação Nacional de Discotecas e justifica a falta de adesão do setor.

Uma semana após a entrada em vigor da nova regra que permite às discotecas funcionarem como pastelarias ou cafés, os empresários de diversão noturna reiteram a inviabilidade da alternativa proposta pelo Governo e alertam para o colapso do setor.

“Isto não vem resolver nada. É uma não resposta e faz com que permaneçam os mesmos problemas no setor. O que diz é que as discotecas têm de continuar fechadas”, afirmou à Lusa José Gouveia, da Associação Nacional de Discotecas.
Em 30 de julho, após a reunião semanal do Conselho de Ministros, a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, explicou que, no contexto da “situação epidemiológica do país mais controlada”, foi determinada “a possibilidade de os estabelecimentos que são bares na sua origem funcionarem enquanto pastelarias e cafés, seguindo as mesmas regras de distanciamento que estas instituições têm”.

A ministra esclareceu que os bares e discotecas continuam encerrados, permitindo-se apenas que os que queiram funcionar como cafés e pastelarias o possam fazer “sem alterar a sua atividade” oficialmente, como estava a acontecer. Estes estabelecimentos estão encerrados desde março devido à pandemia da covid-19.
Os bares e discotecas que optem por esta possibilidade podem funcionar até às 20:00 na Área Metropolitana de Lisboa e até às 01:00 (com limite de entrada às 24:00) no resto do território continental, como a restauração.

“Quem achou que o podia fazer já o fez ainda antes desta determinação, mas insisto que no caso das discotecas, pelas suas características, é totalmente inviável. Aquilo que precisamos é de um apoio porque a nossa situação está insustentável”, sublinhou José Gouveia, também presidente da Associação de Discotecas de Lisboa.

No mesmo sentido, o empresário João Fernandes, que integra o grupo de trabalho constituído com a tutela sobre esta matéria, assegura que “está fora de questão” uma readaptação de uma discoteca a uma pastelaria ou café”.
“O foco de qualquer discoteca é entre a 01:00 e as 05:00. Não há nenhuma discoteca que consiga funcionar até às 20:00”, aponta o empresário, afirmando que esta medida do Governo serviu apenas para “atirar areia para os olhos da comunicação social”.

Nesse sentido, João Fernandes, que é proprietário de três estabelecimentos de diversão noturna em Lisboa, ressalva que na capital apenas se concretizou a readaptação de alguns bares, que ajustaram a sua atividade para poder fazer venda de rua, situação que fica agora mais facilitada com o diploma do Governo.
Mais a norte, na cidade do Porto, a situação é semelhante e, segundo disseram à Lusa associações do setor, nenhuma discoteca reabriu nos moldes de pastelaria ou café.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: JOAO RELVAS / LUSA

Desemprego registado volta a crescer em agosto, supera 409 mil inscrições

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

AL perdeu quase 3000 casas em Lisboa e Porto. Oferta para arrendar cresce

Manuel Heitor, ministro do Ensino Superior.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Alunos vão pagar até 285 euros para ficar em hotéis e alojamento local

Bares e discotecas não querem funcionar como pastelarias ou cafés