Coronavírus

Dono da Comporta mantém obras, trabalhadores e salários

Foto: Vanguard Properties
Foto: Vanguard Properties

Vanguard sublinha compromisso do grupo em contexto especialmente difícil da economia.

Há dinheiro para todas as obras, meios para as cumprir e no calendário previsto e as obrigações com os trabalhadores serão cumpridas. A segurança é deixada pela Vanguard Properties, dona da Comporta, que tem em Portugal projetos imobiliários de centenas de milhões de euros, envolvendo “uma ampla comunidade de empresas nacionais – do projeto, à fiscalização, da construção à banca -, contribuindo, direta ou indiretamente, para a manutenção dos postos de trabalho de milhares de pessoas”.

O grupo considerou necessário, “em face da dimensão económica do grupo e do atual contexto social e económico resultante das medidas de execução do estado de emergência entretanto declarado”, dar uma palavra de segurança aos seus trabalhadores e às empresas que têm relações profissionais com os seus negócios. Numa comunicação assinada pelos mais altos responsáveis do grupo, Claude Alain Berda e José Cardoso Botelho, respetivamente presidente e managing director da Vanguard, assegura assim aos seus colaboradores em regime de teletrabalho que manterá “todos os postos de trabalho e as respetivas regalias, intactas”. Uma iniciativa que consideram essencial para mostrar o “empenho em assegurar que a liquidez dos nossos fornecedores e o poder de compra das pessoas que, direta e indiretamente, de nós dependem seja mantida”.

O grupo sublinha ainda que “todas as obras em curso têm assegurados os capitais necessários à sua prossecução e conclusão” e que manterá mesmo, sempre que possível até acelerando “(no caso, por exemplo, do projeto Bayline), o ritmo das obras, exceto, naturalmente, quando o governo, no atual contexto, impuser medidas que o impeçam”.

A Vanguard Properties acrescenta ainda que todas as construtoras que trabalham nas suas obras informaram o grupo da adoção de medidas visando a proteção dos seus colaboradores e sublinha que manterá “a mesma política de pagamentos, ou seja, pagaremos pontualmente todos os fornecimentos contratados e demais obrigações contratuais”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
António Costa e Silva, responsável pelo plano para a economia nacional nos próximos dez anos.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Plano de Costa Silva. As bases estão lá, falta garantir boa execução

Filipe Santos, dean da Católica Lisbon Business and Economics ( Pedro Rocha / Global Imagens )

Filipe Santos: Risco de austeridade? “Depende de como evoluir a economia”

Filipe Santos, dean da Católica Lisbon Business and Economics ( Pedro Rocha / Global Imagens )Filipe Santos
( Pedro Rocha / Global Imagens )

Filipe Santos: Há um conjunto de empreendedores que vai continuar

Dono da Comporta mantém obras, trabalhadores e salários