Consumo

Lisboa com maior travão nas compras físicas durante o confinamento

Fotografia: Cristiana Milhão/Global Imagens
Fotografia: Cristiana Milhão/Global Imagens

Pela primeira vez, a SIBS partilha indicadores sobre as compras físicas por região. Valores estão a recuperar, mas ainda abaixo do tempo pré-pandemia.

A plataforma SIBS Analytics tem mostrado durante o tempo da pandemia de que forma é que o coronavírus está a mudar os hábitos de consumo dos portugueses. Além de mostrar valores médios de compras e os valores de adoção de outros formatos de pagamento, como o MB Way, a gestora da rede Multibanco partilha indicadores de compras físicas por região.

Nesta análise, que estabelece a variação entre a média diária de compras físicas antes do primeiro caso em Portugal, a semana seguinte à declaração de Estado de Emergência (23 a 29 de março) e a semana passada (27 de abril a 3 de maio), é visível que a região de Lisboa e Vale do Tejo registou os valores mais díspares entre o período de comparação.

“A região de Lisboa e Vale do Tejo foi a que registou o maior abrandamento no consumo durante o período em que Portugal esteve em Estado de Emergência. No período compreendido entre 23 a 29 de março, as compras físicas nesta região recuaram 62 pontos relativamente à média antes do registo do primeiro caso de covid-19”, indica a SIBS. Já na semana passada, o número de compras na rede multibanco deu sinais de recuperação, com uma subida de 14 pontos, mas ainda continua abaixo do valor de referência.

De uma forma geral, a análise da SIBS mostra um recuo generalizado do consumo nas lojas físicas na semana a seguir à declaração de Estado de Emergência. Além de Lisboa, a segunda maior quebra foi registada na Região Autónoma da Madeira, com um recuo de 59 pontos em relação ao valor base, na semana de 23 a 29 de março. A região Norte viu o consumo nas lojas físicas decrescer 54 pontos; o Algarve 53 pontos e a região Centro 51 pontos.

Já a região do Alentejo registou as menores alterações nos hábitos de consumo nas lojas físicas, com um recuo de 43 pontos.

Na semana passada, todo o país viu as compras físicas aumentar, segundo os dados da SIBS. A região de Lisboa e Vale do Tejo demonstra a maior recuperação das compras físicas, mas com valores ainda abaixo do valor de referência antes do primeiro caso de covid-19 em Portugal.

Compras online e MB Way continuam a crescer

As compras através da Internet registaram um aumento significativo. O valor médio por compra atingiu os 40,1 euros na semana de 27 de abril a 3 de maio.

Continua ainda a destacar-se a utilização crescente do MB Way como forma de pagamento, tanto para as compras online como na rede multibanco. Na semana passada foi registado o nível mais elevado de compras com MB Way. “O número médio de transações no e-commerce através do MB Way chegou aos 31 pontos acima da média antes do registo do primeiro caso de covid-19 em Portugal, e nas compras na rede multibanco atingiu 20 pontos acima”.

Foi ainda registado um ligeiro decréscimo no valor médio por compra, no canal físico, com a média a cair 1,6% para os 37,5 euros, em comparação com os 38,1 euros da semana anterior.

Os valores médios por compra na semana de 27 de abril a 3 de maio continuam consideravelmente acima da média do período antes da pandemia: no canal físico o valor é 8% superior e no online é 7% maior.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa. JOÃO RELVAS/POOL/LUSA

Governo cria complemento salarial até 350 euros para trabalhadores em lay-off

O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa, 04 junho 2020, realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Banco de Fomento para Portugal com “aprovação provisória”

O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda,  em Lisboa, 29 de maio de 2020. O Governo decidiu adiar a passagem para a terceira fase de desconfinamento na Área Metropolitana de Lisboa e criou regras especiais, sobretudo em atividades que envolvem “grande aglomerações de pessoas”.  MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Trabalhadores em lay-off passam a receber entre 77% e 92% do salário

Lisboa com maior travão nas compras físicas durante o confinamento