Coronavírus

Vendas globais de smartphones com quebra de 14% em fevereiro

Sony, smartphones
EPA/FRANCK ROBICHON

No mês em que a covid-19 saltou fronteiras, as vendas de telefones caíram 14% a nível global.

Os efeitos da pandemia de covid-19 são já notórios nos números de vendas de smartphones. Em comparação com fevereiro do ano passado, a análise da Counterpoint Research aponta para uma quebra de 14% nas vendas globais de telefones, indica a agência Reuters.

A análise da Counterpoint refere ainda que, na China, mercado que contribuiu para uma considerável fatia das vendas globais de telefones, a quebra de vendas em fevereiro chegou aos 38%, em comparação com o mesmo mês de 2019. No entanto, este mercado começa a dar alguns sinais de recuperação.

No entanto, a analista de mercado refere que embora haja sinais de recuperação na China e Coreia do Sul, países fornecedores de equipamentos, para outros países “o pior ainda está para vir”. Desde que foram detetados os primeiros casos do vírus, na China, que a disrupção das cadeias de produção de telefones e outros equipamentos de tecnologia tem sido uma das grandes preocupações da indústria.

Na China, ainda no final de janeiro, várias marcas de smartphones decidiram colocar a produção em pausa ou, em alguns casos, como aconteceu com a Apple, fechar todas as lojas no país. Mais tarde, a Apple acabaria mesmo por optar pelo encerramento de todas as lojas a nível global.

Os dados revelados no início de março pelo regulador das comunicações na China (CAICT) mostram uma quebra ainda maior no mercado chinês do que a análise traçada pela Counterpoint. No início de março, o regulador das comunicações dava conta de uma quebra de 54,7% nas vendas de smartphones, em comparação com fevereiro de 2019 – menos oito milhões de unidades. Nesta análise, a Apple era a marca mais afetada, com vendas que não chegavam sequer ao meio milhão de unidades.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, e Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.  MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salários, crédito, moratórias e rendas. O que vai ajudar famílias e empresas

EPA/Enric Fontcuberta

Mais de 100 mil recibos verdes candidataram-se ao apoio à redução da atividade

A ministra da Saúde, Marta Temido.. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

295 mortos e 11 278 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Vendas globais de smartphones com quebra de 14% em fevereiro