aviação

10 respostas sobre o novo aeroporto do Montijo

Base aérea do Montijo. (Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens)
Base aérea do Montijo. (Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens)

Descubra as respostas a dez perguntas sobre um investimento várias vezes anunciado e interrompido.

Estado e ANA, a gestora dos aeroportos nacionais, vão assinar na terça-feira, dia 8, o acordo para concretizar o projeto do aeroporto do Montijo e expandir a capacidade do atual aeroporto de Lisboa. As obras deverão arrancar ainda neste ano. O acordo permitirá rever o atual contrato de concessão, fixando as metas de investimento nos próximos três anos e as taxas aeroportuárias.

1 – Quando arrancam as obras?
Está previsto que a operação de transformação da base aérea n.º 6, no Montijo, num aeroporto civil arranque neste ano. O início das obras esteve dependente das negociações de uma solução financeira com a ANA, controlada pelo grupo francês Vinci, e da entrega de um estudo de impacto ambiental por parte da Agência Portuguesa do Ambiente.

2 – Na prática, vai acontecer o quê?
Vai remodelar-se o aeroporto de Lisboa e aproveitar a base militar do Montijo como complemento à Portela. O Humberto Delgado vai manter o seu papel de hub, estando previstos vários investimentos que permitam melhorar as estruturas dos passageiros, aumentar a capacidade de estacionamento e a circulação das aeronaves. É o caso do encerramento da pista secundária 17/35, da deslocação da base militar de Figo Maduro e de um novo sistema de gestão do espaço aéreo que permitirá aumentar dos atuais 40 movimentos por hora, em Lisboa, para 44.

Leia também: Aeroporto do Montijo começará a ganhar forma em 2019

3 – E quando começa a funcionar o aeroporto do Montijo?
Segundo o calendário previsto, a obra (que inclui a instalação de uma infraestrutura aeroportuária complementar – a chamada “Portela+1” – e a ampliação do atual aeroporto de Lisboa) deverá estar concluída em 2022.

4 – Porque não se resolveu a questão mais cedo?
A discussão sobre um novo aeroporto para Lisboa remonta ao ano de 1969, quando começaram a ser estudadas localizações – Rio Frio e Ota foram as mais faladas -, a maioria na Margem Sul do Tejo, para a relocalização do aeroporto da Portela, inaugurado em 1942. Foram gastos milhões em estudos, mas o processo foi várias vezes anunciado e interrompido. O tema voltou a animar o debate público pela mão do governo de José Sócrates, que encomendou um estudo comparativo entre a Ota e a zona do Campo de Tiro de Alcochete. Mas o ano de 2007 traz uma viragem, com o então ministro das Obras Públicas e Transportes, Mário Lino, a afirmar: “Na Margem Sul jamais. O que eu acho que é faraónico é construir um aeroporto na Margem Sul, onde não há gente, não há escolas, não há hospitais, não há indústria, não há comércio, não há hotéis”. A solução Montijo só voltou a ser discutida em 2014, com a troika fora de Portugal e o regresso do PS ao poder, mas só agora é que foi vista como a melhor opção. Os ambientalistas têm, no entanto, exigido mais estudos.

5 – Porque foi escolhido o Montijo?
Por três razões: é a opção mais barata, a menos afastada da capital e a obra tem um tempo de execução mais rápido. Além disso, é a única que permite atingir 72 movimentos por hora – o dobro da capacidade atual da Portela – e chegar aos 50 milhões de passageiros por ano.

6 – Quanto vai custar a solução Portela+1?
A obra de transformação da base aérea do Montijo tem um custo estimado de mil milhões de euros. O valor será pago pela ANA – Aeroportos de Portugal, através das taxas cobradas, não implicando custos para os contribuintes. Quanto à expansão do Humberto Delgado, desconhece-se o valor de investimento.

7 – O que acontece à base que está no Montijo?
A base militar mantém-se, mas com menos aviões. A concessionária estabeleceu um acordo que determina que os aviões C-295 e os C-130 da Força Aérea Portuguesa serão deslocalizados para outras bases (Sintra e Beja). O processo demorará pelo menos dois a três anos, não havendo ainda data prevista para o início, e será inteiramente suportado pela ANA.

8 – Então, quem vai voar para lá?
O aeroporto do Montijo está vocacionado para transportadoras aéreas que tenham as chamadas rotas “ponto a ponto”, ou seja, sem correspondências.

Leia também: ANA espera crescimento na Portela, mas setor quer mais investimentos

9 – Há companhias aéreas interessadas?
A Ryanair já se mostrou disponível para voar para lá, tendo até criticado o governo pela morosidade no desenrolar do processo. O mesmo não acontece com a TAP: “O Montijo é importante, mas é outra família. Tenho de resolver o meu casamento com a Portela e não namorar o Montijo. O grande problema é a Portela. Aguardamos a proposta para que o investimento seja feito”, afirmou já o presidente da comissão executiva, Antonoaldo Neves.

10 – Como irá para a capital quem aterrar no Montijo?
A ligação entre o aeroporto do Montijo e a cidade de Lisboa ficará assegurada de duas formas: pela Ponte Vasco da Gama, onde haverá uma via rápida, e através de uma ligação fluvial mais curta pelo Tejo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
David Cameron, no Forum Económico Mundial 2020, em Davos. DR.

Davos. Os negócios, a política, o ambiente e os “do contra”

Ilustração: Vítor Higgs

Espanhóis e chineses na corrida para entrar no capital do EuroBic

Procurador-Geral da República de Angola, Hélder Pitta Grós (EPA/MARIO CRUZ)

PGR angolano afasta mais arguidos portugueses no caso Isabel dos Santos

10 respostas sobre o novo aeroporto do Montijo