Ambiente

Consumo de energia eólica atinge máximo histórico

Fotografia: direitos reservados
Fotografia: direitos reservados

Dentro do espaço europeu, um quinto da energia consumida em três dias do mês de dezembro veio da produção eólica.

Entre os dias 23 e 26 de dezembro, a União Europeia usou energia eólica “suficiente para abastecer 21% do seu consumo médio diário (cerca de 2150 GWh)”, segundo um estudo feito pela WindEurope (Associação Europeia de Energia Eólica).

Este valor, nota a empresa, “equivale a cerca de 17 vezes o consumo de Portugal” ou ainda o suficiente para “alimentar 218 milhões de habitações ou 77 % das necessidades da indústria europeia”.

No total, durante o período em análise, um quinto de toda a energia consumida dentro do espaço europeu adveio de produções eólicas, o que significa um novo marco histórico para este ‘departamento’ do setor energético europeu.

De acordo com a análise feita pela WindEurope, a potência eólica instalada na União Europeia este ano aumentou cerca de 9% (14GW) relativamente ao ano passado, estando agora situada nos 165 GW.

Para os próximos anos, o estudo antevê que, em 2020, ainda dentro do espaço europeu, “as centrais eólicas onshore e offshore, sejam a tecnologia renovável com o maior acréscimo de potência (50 GW), seguido das centrais fotovoltaicas, (35 GW)”.

No que diz respeito ao mercado português, as centrais eólicas produzem, anualmente, perto de 1/4 das necessidades elétricas nacionais, o que se traduz numa redução as importações de combustíveis fósseis em mais de 350 milhões de euros por ano.

A WindEurope nota ainda a potencialidade deste setor, destacando a capacidade para a criação de “um cluster industrial responsável por mais de 22 mil empregos (diretos e indiretos) e por uma exportação de equipamentos que ascende a quase 400 milhões de euros por ano”.

 

 

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Poupança das famílias subiu no 2º trimestre

Deco pede medidas urgentes para travar crédito ao consumo

Elisa Ferreira, António Costa. Fotografia: Álvaro Isidoro/Global Imagens

Elisa Ferreira. Minas de lítio têm de “compensar impacto ambiental”

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira (E), e a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D). Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Governo deixa cair referencial geral para aumento de salários

Consumo de energia eólica atinge máximo histórico