crédito

115 mil fiadores chamados a pagar créditos em falta

Fotografia: DR
Fotografia: DR

Número total é o mais baixo desde meados de 2011 mas a percentagem de fiadores encravados é maior. Deco recebeu 2900 pedidos de ajuda.

O número de portugueses que aceitaram ser fiadores de empréstimos bancários caiu no final do ano passado para 1,3 milhões. É o mais baixo desde meados de 2011. Mas há 115 mil que têm razões para estar arrependidos – ficaram com as dívidas de outros nas mãos. São 8,6% do total de fiadores; em junho de 2011, estávamos em plena crise financeira, apenas 7,5% foram chamados a pagar os empréstimos em falta. A culpa é do crédito ao consumo.

Maria B., um destes casos, acabou por ter de pedir ajuda ao Gabinete de apoio ao Sobre-endividado da Deco (GAS). O apelo chegou depois de “uma penhora de salário” por ser fiadora de um crédito que a deixou com encargos que não consegue suportar. “Ganho o suficiente para pagar as minhas dívidas e a penhora, mas não sobra muito para cuidar de mim e dos meus filhos”, conta.

E está longe de ser a única. Apesar de o malparado das famílias estar a cair há cinco meses consecutivos, somando 16 626 milhões de euros em dezembro, e de, por isso, também haver menos fiadores em apuros – os 115 mil que se contavam no final do ano passado são o número mais baixo em quatro anos -, a percentagem de fiadores com dívidas alheias às costas é maior do que no tempo da crise.

Não pelo crédito à habitação, no qual a percentagem de fiadores em apuros é de 4,3%, abaixo dos 4,5% de 2011. Mas porque no crédito ao consumo a percentagem de fiadores em dificuldades subiu para 11,9% do total; em 2011, só 8,9% dos fiadores estavam com créditos vencidos a cargo.

“O fiador tem responsabilidade subsidiária. Caso o devedor não possa pagar, pode pagar voluntariamente os montantes em dívida, mas se não o fizer, o seu património e rendimentos responderão pelo pagamento dessa dívida, podendo ser penhorados”, lembra António Menezes Rodrigues, presidente da ASFAC – Associação de Instituições de Crédito Especializado.

Os apelos dos fiadores têm chegado à Deco, mas estão longe de ser os mais graves – o desemprego e a quebra abrupta de rendimentos são os maiores problemas. No ano passado, a Deco recebeu 29 530 pedidos de ajuda; os apelos dos fiadores representaram apenas 1%.

Entre eles, está o pedido de Rui, que recebeu uma carta para recuperação de um crédito do primo de quem era fiador. O seu caso está entre os mais complicados que a Deco tem recebido. É que “os devedores abriram insolvência singular, mas como o pedido de falência só abrange os próprios, o fiador ficou com um crédito à habitação às costas.

Natália Nunes, coordenadora do Gabinete do Apoio ao Sobre-endividado da Deco, acredita que a crise travou a fundo o número de fiadores, mas admite que em certos casos “a solução está em confiar na boa vontade da instituição”. “É no crédito automóvel e no crédito à habitação que está o maior universo de fiadores. Mas acredito que há uma maior consciencialização das pessoas para o que é ser fiador”, lembra a jurista, assumindo que “é relativamente fácil contrair um crédito sem ter fiador. “Felizmente” já se ultrapassou o período crítico da crise em que muitas famílias, especialmente pais, confrontadas com situações de desemprego dos filhos e créditos para compra de casa para os quais se tinham dado como fiadores, acabaram em situações extremas de endividamento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, durante a inauguração das Escadinhas da Saúde rolantes, ao Martim Moniz. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens

Crescimento do turismo em 2019 é o mais baixo desde a última crise

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP.
JOÃO RELVAS/LUSA

Bancos ganharam mais de 5,2 milhões por dia

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP, durante a conferência de imprensa de apresentação dos resultados do 1.º trimestre de 2019, Lisboa, 9 de maio de 2019. JOÃO RELVAS/LUSA

BCP vai fazer uma proposta de distribuição de dividendos “muito conservadora”

115 mil fiadores chamados a pagar créditos em falta