entrevista

Philippe Legrain. “Imigração pode impulsionar o PIB em 2%”

Batalha, 02/05/2018. Família de refugiados iraquianos. A integração de uma família de nove refugiados que chegou há dois anos a São Mamede e que já teve um criança a nascer em Portugal
Liliana Ribeiro, assistente social brinca com Adam 
(Henriques da Cunha / Global Imagens)
Batalha, 02/05/2018. Família de refugiados iraquianos. A integração de uma família de nove refugiados que chegou há dois anos a São Mamede e que já teve um criança a nascer em Portugal Liliana Ribeiro, assistente social brinca com Adam (Henriques da Cunha / Global Imagens)

Philippe Legrain foi conselheiro económico de Durão Barroso, na Comissão Europeia e é professor convidado do London School of Economics. É autor dos livros Immigrants e Primavera Europeia.

É possível medir o impacto económico da imigração?

Nada pode ser medido na perfeição, mas há estudos que nos dão uma boa ideia do seu impacto económico. Por exemplo, um aumento de 1% de imigrantes na população tende a impulsionar o PIB per capita em 2% a longo prazo. Porquê? Porque a imigração aumenta a diversidade de competências, e também porque os imigrantes tendem a ser jovens trabalhadores, um grande benefício para os países com população idosa.

Como responde aos céticos?

Alguns são simplesmente racistas e xenófobos, e por isso temos de continuar as campanhas para persuadir as pessoas de que todos têm igual valor. Outros culpam os imigrantes por todo o tipo de problemas: perda de empregos, aumento da pressão sobre os serviços públicos, a miséria que tem sido criada pelas crises financeiras. Não basta salientar que os imigrantes não são culpados por todas essas coisas. É preciso responder às legítimas necessidades e problemas das populações.

Que países, na Europa, seriam os mais beneficiados?

Ironicamente – tendo em conta o brexit – a Grã-Bretanha é um dos maiores beneficiários da imigração: tem recebido pessoas muito trabalhadoras e talentosas de toda a UE. Em contrapartida, a Grécia recebeu muitos requerentes de asilo e imigrantes que teriam muito potencial para contribuir para a Europa, se pudesse deslocar-se e trabalhar em outros países.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Philippe Legrain. “Imigração pode impulsionar o PIB em 2%”