Agricultura

Míldio “vindima” 3% na produção de vinho. A culpa é da chuva

Quinta dos Reis, situada em Oliveira de Barreiros, São João de Lourosa, Viseu.
Evasões especial Viseu.
Vindima
(Fábio Poço/Global Imagens)
Quinta dos Reis, situada em Oliveira de Barreiros, São João de Lourosa, Viseu. Evasões especial Viseu. Vindima (Fábio Poço/Global Imagens)

Se as previsões acertarem serão menos 20 milhões de litros face à vindima de 2017. Vaga de calor preocupa agora os produtores.

Portugal deverá, neste ano, produzir menos 20 milhões de litros de vinho, uma redução de 3% face a 2017. A culpa é do tempo. O ano chuvoso foi favorável aos ataques de míldio e oídio. O Instituto da Vinha e do Vinho (IVV) estima que a produção se fique pelos 650 milhões de litros, um valor “muito próximo da média das cinco últimas campanhas”. Mas a vindima ainda está longe e tudo pode mudar.

Minho admite que a quebra possa ser maior do que os 5% indicados, mas desvaloriza a questão pela existência de stocks. Já o Alentejo espera uma produção de 110 milhões de litros, 15% acima do ano passado. Se o tempo ajudar. “Esperemos que a vaga de calor passe rapidamente para que não prejudique as perspetivas positivas”, diz o presidente da comissão de viticultura alentejana.

Os 15% de crescimento previstos para o Alentejo são boas notícias, já que a região teve três vindimas consecutivas de quebra e espera repor o nível de stocks. Pelo menos em parte. Porque, apesar deste crescimento, a produção esperada ainda é ligeiramente inferior a um ano dito normal, na ordem dos 115 milhões de litros.

Francisco Mateus, presidente da CVR Alentejo, estima que grande parte das vindimas comecem a partir do fim do mês, embora tudo dependa da evolução meteorológica. “Tem estado muito calor, espero que não venha por aí nenhum escaldão”, diz. O Alentejo exporta apenas um terço dos seus vinhos, mas é o campeão das vendas no mercado nacional, com uma quota superior a 40%, quer em valor quer em volume. Neste ano, a região está a vender menos porque tem falta de vinho. Em contrapartida, o preço médio cresceu 3,9% e aproxima-se já dos cinco euros por litro.

Uma estabilização da produção, na ordem dos 145 milhões de litros, é a previsão para o Douro, que espera encerrar o ano com vendas totais de 558 milhões de euros (+0,4%), dos quais 378 milhões de euros serão de vinho do Porto. Mas o Instituto dos Vinhos do Douro e Porto admite que, quer pelas doenças da vinha quer pelo “calor extremo” que se faz sentir, a produção possa vir a ser inferior. “As chuvas tardias e o excesso de humidade provocaram condições favoráveis ao desenvolvimento de doenças, principalmente de míldio”, destaca o IVDP, o que obrigou a um aumento no número de tratamentos necessários para manter a produção sã.

Os agricultores queixam-se que os custos de produção, por causa disso, triplicaram. E o instituto reforça a importância da contratação de seguros agrícolas.

No Minho, a estabilidade de preços ao produtor é o grande objetivo. “A escassez deste ano não é preocupante porque há um bom stock de vinhos na região, superior a 70 milhões de litros. A nossa principal preocupação é com a qualidade das uvas e com a estabilização dos preços para que se garanta um rendimento correto para o viticultor”, diz o presidente da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes. Mas as primeiras tabelas só serão conhecidas lá para o início do próximo mês, sendo que, este ano, a região espera começar a vindimar na segunda quinzena de setembro.

Em termos de vendas, Manuel Pinheiro assegura que o ano está a “correr bem”, com os Alvarinhos e os rosados a crescerem 16% e 13%, respetivamente, e os brancos estabilizados (-0,6% do que no primeiro semestre de 2017). O verde tinto continua em queda (-20%). Os mercados externos valem já mais de metade das vendas de vinho verde.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno ladeado pelos representantes dos dois maiores credores de Portugal: Pierre Moscovici (Comissão) e Klaus Regling (ESM). Fotografia: EPA/JULIEN WARNAND

Centeno usa verbas da almofada de segurança para pagar aos credores europeus

O bastonário da Ordem dos Notários, Jorge Batista da Silva. Fotografia: Gonçalo Villaverde/Global Imagens

Ordem dos Notários desmente declarações de Álvaro Santos Pereira

Quinta do Lago

Algarve é o melhor destino de golfe do mundo para 2020

Outros conteúdos GMG
Míldio “vindima” 3% na produção de vinho. A culpa é da chuva