Algarve

“O turismo é o nosso ouro negro, isso é que nos tornará sustentáveis”

João Fernandes, presidente da Região de Turismo do Algarve, defende que as taxas turísticas podem ser uma oportunidade para melhorar os espaços públicos. FOTOGRAFIA: André Vidigal/Global Imagens
João Fernandes, presidente da Região de Turismo do Algarve, defende que as taxas turísticas podem ser uma oportunidade para melhorar os espaços públicos. FOTOGRAFIA: André Vidigal/Global Imagens

Presidente da Região de Turismo do Algarve quer região percepcionada como destino de qualidade e não de preço

João Fernandes, desde julho à frente da Região do Turismo do Algarve, assume que não quer romper com o passado, mas criar uma dinâmica mais contemporânea na promoção do território. Qualidade, diversidade e diferentes públicos são apostas.

O incêndio de Monchique foi, até agora, o maior da Europa. Que impactos antevê no turismo do Algarve?
Um incêndio das dimensões do de Monchique é sempre de lamentar. Sendo num destino internacionalmente tão conhecido como é o Algarve essas ocorrências têm um impacto que não acontece noutros espaços em que as atenções não estão tão focadas. Houve, desde o início, uma atuação concertada, nomeadamente de resposta aos meios de comunicação internacionais, porque numa primeira fase as abordagens eram alarmistas, excessivas. Explicámos que o incêndio estava circunscrito a um espaço territorial, que era um incêndio rural, em zona de floresta, com baixa densidade populacional, procurado para turismo de natureza fora da época alta, que tinha havido a deslocação de turistas antes de ocorrer uma situação de perigo. Agora, vai haver impactos. Os hotéis foram evacuados, mas não foram danificados. Estamos a fazer um diagnóstico aprofundado para perceber os danos causados nas infraestruturas e na envolvente. É natural que naquela zona haja uma retração da procura, até pela dificuldade de exercer turismo de natureza. Se me pergunta se no Algarve vai haver um grande impacto por causa disso, não, porque aquela zona tem uma capacidade de oferta reduzida face a um destino da dimensão do Algarve. Ainda assim não deixa de ser importante porque estamos muito empenhados em apostar na diversificação da oferta.

A descentralização poderá ajudar a resolver questões como o ordenamento do território e da floresta do Algarve, e o desenvolvimento turístico da região?
Pessoalmente sou regionalista, mas sou adepto da descentralização. Acho que mais próximo dos problemas somos mais conhecedores das soluções e também mais responsabilizados pelos nossos atos. A descentralização é importante. Foi importante na reunião com os vários órgãos do Estado, com o primeiro-ministro, presidentes das câmaras das áreas afetadas pelos incêndios. Aquilo é o pulmão do Algarve, uma serra lindíssima, a considerar do ponto de vista da região e não apenas do concelho.
Também é positiva para o turismo, sempre numa lógica de alinhamento com a estratégia nacional, porque temos de considerar que o estar mais próximo é importante, mas fazemos todos parte do mesmo país e temos todos a ganhar com essa escala e com a marca Portugal. Ao nível do Algarve, termos mais competência e recursos para agir em função dos nossos recursos naturais, patrimoniais e infraestruturais faz todo o sentido. A relação empática que existe entre o destino e os nossos mercados emissores é privilegiada quando se descentraliza porque não é idêntica à marca Portugal. Há que haver aqui o melhor dos dois mundos: uma estratégia nacional mas uma declinação também para uma ação diferenciada ao nível de cada região.

Quais são as linhas da sua política que poderão rejuvenescer a forma como se aborda o turismo na região?
Tem que ver com uma abordagem à oferta e à procura. Quando definimos a estratégia em 2013 – eu não sou novo na função, já cá estava nessa altura como vice-presidente e com responsabilidades sobre o planeamento -, os nossos pilares eram a diferenciação e enriquecimento da oferta e diferenciação do destino pela identidade. Isso mantém-se. Continuamos cada vez mais empenhados em gerar novas motivações de procura, que impactem sobretudo fora da época alta e em todo o território; continuamos a querer apostar naquilo que nos identifica, as nossas tradições e património, para que possamos trabalhar em cima dessas mais-valias para ter uma oferta mais contemporânea e ainda assim mais diferenciadora. É um rejuvenescimento que passa pelo trabalho sobre os recursos, para os tornar mais contemporâneos, mas também por uma atuação mais ajustada aos novos turistas. Ao nível da promoção temos de fazer um equilíbrio entre as apostas nos meios tradicionais e perceber que há um espaço grande nas redes sociais, num registo mais próximo do cliente, que acompanha aquilo que é a realidade da procura. Não sou favorável a disrupções excessivas porque elas não permitem aos agentes no território ajustarem as suas capacidades a essas apostas. Queremos ser capazes de captar talentos, nomeadamente na área das tecnologias da informação e comunicação. Queremos fixar talento que anda por esse mundo fora e que precisa de um espaço com as características do Algarve para se fixar, um espaço com pequenas/médias cidades, boa qualidade de vida, bom clima, segurança e que está ligado por via do aeroporto e da Internet a todo o mundo.

Tem falado em turismo sustentável para a região. O golfe adequa-se a essa filosofia? E o que pensa sobre a exploração de petróleo em Aljezur?
Em primeiro lugar, o golfe gera uma procura fora da época alta. A sustentabilidade a que eu apelo não é apenas ambiental. A maioria dos nossos golfes são certificados. Conheço bem a realidade e sei que o golfe, seja ao nível da rega, da utilização de adubos, de fitofármacos, de medidas de proteção ambiental fez um esforço muito assinalável. A questão do furo é diferente. A região de turismo já por diversas vezes demonstrou publicamente não estar de acordo com esse caminho. Eu não poderia deixar de reiterar essa afirmação. Não é uma afirmação só do presidente, é uma afirmação concertada em comissão executiva. Não estamos de acordo com a exploração de petróleo na costa vicentina e achamos que o nosso ouro negro é o turismo e outras atividades no mar, no interior da serra. Isso é que nos tornará sustentáveis e não o petróleo.

2017 foi o ano de todos os recordes para o Algarve. 2018 já não se afigura tão positivo. Como antevê o ano?
O quadro, no contexto internacional, quase não podia ser mais adverso. Para além do brexit e da queda da libra e da incerteza na expectativa de consumo dos britânicos que essa realidade provoca – e desconhecemos o futuro -, sabemos que houve um reerguer da Turquia e Egito e quando estes players estiveram afastados houve outros destinos que cresceram, como a Bulgária e Croácia. Hoje temos mais concorrência naquele que é o espaço mais concorrencial do mundo em termos turísticos, o Mediterrâneo. Tivemos mau tempo durante seis meses e bom tempo nos mercados emissores. Em maio, estavam 30 graus em Berlim, Amesterdão, Londres, e isso obviamente retrai a procura. Tivemos o campeonato mundial de futebol, que também desvia alguns fluxos, no final do ano passado a falência da Monarch, que nos ligava a Londres e da Air Berlin que nos ligava à Alemanha, dois mercados principais, e no fim disto tudo, os dados do INE, apontavam para uma queda da procura de 1,6% em relação ao ano de todos os recordes, mas a subir em 5,7% nos proveitos, a crescer em valor e a decrescer ligeiramente na procura. Os dados do aeroporto de junho apontam para uma redução de 1% do número de passageiros, a AHETA veio identificar uma retração na procura de 2,3% mas um aumento do volume de negócios de 3,5%. Tudo aponta para que este seja um ano em que consolidamos uma procura que também era resultante de um período anormalmente vantajoso, de pessoas que outrora viajavam para a Turquia, Tunísia e Egito e que passaram a visitar o Algarve e que a grande maioria se fidelizou ao destino, senão não teríamos os números que temos. Ainda estamos acima de 2016 que também foi um ano de recordes. Há aqui uma realidade duplamente positiva: está-se a acrescentar valor à procura e está-se a fidelizar a procura que outrora ia para outros destinos. Queremos que o Algarve seja percecionado e valorizado pela qualidade que oferece e não pela concorrência do preço.

Como analisa a pretensão de alguns municípios algarvios quererem instituir uma taxa turística?
Essa pretensão foi expressa numa reunião da associação de municípios do Algarve por 15 dos 16 concelhos. Há necessidade de acautelar que essa taxa municipal tenha em conta algumas características que o destino tem e que não são semelhantes a Lisboa e Porto. Em Lisboa e Porto, a estadia tradicional tem à volta de duas noites, no Algarve tem cinco. No Algarve, a procura é tradicionalmente de família. Imagine uma família de quatro pessoas que fica cinco dias por contraposição a alguém que vai numa viagem de negócios a Lisboa ou Porto… É importante acautelar uma diferenciação de preço no pico da procura e na época baixa. Aquilo que queremos trabalhar com os municípios é que haja esta consciência e adaptação à realidade da procura do Algarve, que não é semelhante aos restantes destinos. O próprio timing na aplicação do preço é importante para que não tenhamos uma redução da competitividade. Temos de perceber para que fim destinam as autarquias essa taxa municipal turística. Pode ser uma forma de alavancar a qualidade do espaço público, melhorar a oferta da animação turística e o investimento em sustentabilidade. Mas ainda nada está decidido.

A RTA tem um projeto a decorrer com a APEMIP para identificação dos imóveis devolutos ou degradados. Em que ponto está?
Estamos a constituir um portfólio. Temos já a ficha técnica de 10 dos 16 previstos. O que se pretende é ter um imóvel por concelho nesta primeira abordagem. Temos diferentes realidades. Há imóveis que são públicos e de valor patrimonial reconhecido e o que há a fazer é atrair investidores para uma concessão para um fim turístico, muito na linha do Revive. Mas também outras realidades de prédios mais recentes, devolutos e em mau estado, e em zonas turísticas. Para esses, a lógica é perceber se estão aptos a serem vendidos. Temos de ter exemplos que sejam comercializáveis. Queremos resolver problemas, não queremos criar problemas a quem quer investir. A constituição do portfólio está nesse ponto, faltam-nos seis, mas queremos ter essa realidade fechada em setembro. Depois ir com a banca, com o Turismo de Portugal, os donos dos imóveis, as autarquias, que são responsáveis pelo licenciamento, e fazer ações de roadshow em vários pontos da Europa. A APEMIP tem já identificado quem são os mercados emissores e quem são os investidores potenciais e nós o que fazemos é constituirmo-nos como facilitadores, realizar o encontro entre a procura e a oferta, a comercialização não é connosco. Estamos a falar de um nível de investimento de alguns milhões de euros por cada oportunidade, de realidades impactantes na paisagem urbana. É nossa intenção começar esses roadshows no início do próximo ano.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, durante a sua audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

ADSE já enviou novas tabelas de preços aos privados para negociação

Mario Draghi, Presidente do Banco Central Europeu. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BCE discutiu pacote de medidas para estimular economia na reunião de julho

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Outros conteúdos GMG
“O turismo é o nosso ouro negro, isso é que nos tornará sustentáveis”