Reformas antecipadas

15 mil pediram reforma antecipada e 11 500 aceitaram-na

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva
Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA
O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Governo aprovou alargamento das reformas antecipadas sem penalização. Novas regras abrangem quem começou a trabalhar aos 16 anos ou antes.

Em 10 meses, os serviços da Segurança Social receberam e deram resposta favorável a mais de 15 mil pedidos de reforma antecipada formulados por trabalhadores com carreiras contributivas muito longas. Este número foi ontem avançado pelo governo, dia em que foi aprovado o decreto-lei que alarga o regime que permite a saída antecipada do mercado de trabalho às pessoas que começaram a trabalhar aos 16 ou em idade inferior e que atualmente tenham pelo menos 60 anos de idade.

Daqueles 15 mil cerca de 11 500 foram aceites pelos pensionistas. A diferença decorre do facto de, desde 2016 estar em vigor uma regra que determina que um pedido de pensão apenas se torna efetivo depois de o respetivo beneficiário ser notificado de qual vai ser o valor que passa a receber mensalmente e confirmar a decisão junto do Centro Nacional de Pensões.

Em causa estão pensões atribuídas ao abrigo do regime que entrou em vigor em outubro de 2017 e que permite o acesso à reforma antecipada sem qualquer penalização às pessoas com 48 anos de descontos ou que tenham pelo menos 60 anos de idade, 46 de descontos e e começado a carreira contributiva aos 14 ou em idade inferior.

Ontem o governo deu mais um passo no alargamento deste regime, ao aprovar o diploma que passa a permitir a reforma antecipada sem qualquer corte (penalização mensal ou fator de sustentabilidade) aos que reúnam as condições de idade e carreira (60/46 anos) mas tenham iniciado a carreira contributiva aos 16 ou antes.

A medida entra em vigor a 1 de outubro, abrangendo as pessoas que naquela data tenham os requisitos exigidos. De acordo com a secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, serão entre mil a duas mil as pessoas com aquele perfil. O impacto orçamental do decreto-lei agora aprovado oscilará entre os quatro a cinco milhões de euros por ano – num cenário em que todos os potenciais beneficiários adiram.

O diploma abrange os trabalhadores do sector privado e os da função pública e também os ex-subscritores da Caixa Geral de Aposentações. Nas regras que ainda vigoram, as pessoas que no passado descontaram para a CGA mas que terminaram funções na função pública e viram a sua condição de subscritor da CGA cessar (caso de professores que ficaram no desemprego) estavam impedidas de aceder à reforma antecipada, tendo de esperar pela idade legal para se aposentarem – ou seja, até aos 66 anos e 4 meses de idade. No privado esta limitação não existia e, de outubro em diante, este tratamento indiferenciado, que Cláudia Joaquim classificou como “injusto”, acaba.

Veja também Alargamento das reformas antecipadas: o que muda

O avanço nas reformas antecipadas para carreiras contributivas longas foi aplaudido pelo Bloco de Esquerda e pela CGTP, mas considerado insuficiente. Para o deputado bloquista José Soeiro, este diploma apenas conclui a “fase de fazer justiça a quem começou a trabalhar em criança”, sendo agora necessário avançar com o resto do regime. Neste contexto, entre as prioridades de negociação do BE para o OE/2019 está o fim do fator de sustentabilidade para todas os trabalhadores com 60 anos de idade e 40 de descontos e a definição de uma idade legal de reforma pessoal em função da carreira.
Cláudia Joaquim recusou ontem dar pormenores sobre a concretização de novas fases referindo apenas que o tema “está em negociação”.

Reações e exigências
Já a CGTP considera que o novo passo para as reformas antecipadas é “claramente insuficiente”, além de pecar por tardio. “Este decreto-lei, fazendo parte integrante da primeira fase de revisão do regime da antecipação, nada adianta quanto à concretização dos compromissos assumidos pelo Governo no sentido de prosseguir este processo de revisão de modo a proteger e valorizar também as carreiras contributivas longas (e não apenas as muito longas) “, precisa a central sindical em comunicado.

A CGTP exige, assim, que o regime vá mais além, defendendo a valorização das carreiras contributivas longas, a eliminação do fator de sustentabilidade para todas as pensões relativamente às quais se aplica atualmente e o fim do corte pelo fator de sustentabilidade para as reformas antecipadas motivadas por desemprego de longa duração.

A central sindical liderada por Arménio Carlos reclama ainda que as empresas sejam obrigadas a contribuir para o financiamento das reformas antecipadas quando diminuem o número de trabalhadores no âmbito de reestruturações empresariais.

Já o PCP também saudou a medida, mas afirma que fica aquém das expectativas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
15 mil pediram reforma antecipada e 11 500 aceitaram-na