Energia

Endesa trava investimento e vai encerrar duas centrais a carvão em Espanha

REUTERS/Andrea Comas
REUTERS/Andrea Comas

O governo espanhol anunciou que nove das 14 centrais térmicas a carvão que existem em Espanha fecharão em junho de 2020.

A elétrica espanhola Endesa deixou de fora do seu novo plano de investimentos estratégicos, que será apresentado na próxima quarta-feira, 21 de novembro, as centrais térmicas a carvão de Andorra (Teruel) e de Cubillos del Sil (Leão), provocando ondas de choque na empresa e também no governo de Madrid. Esta ausência do plano estratégico significa a empresa não está disposta a fazer o investimento necessário – cerca de 400 milhões de euros – para que as duas centrais passem a cumprir as normas de Bruxelas em termos de emissões poluentes e continuem assim a laborar além de 2020.

Nos primeiros nove meses do ano a Endesa obteve lucros de 1.193 milhões de euros, o que representa um aumento de 10% face ao mesmo período do ano anterior, um resultado que a empresa atribui ao bom comportamento do mercado liberalizado, à evolução estável do mercado regulado e à recuperação das margens de lucro no negócio do gás.

De acordo com o jornal El Confidencial, a empresa teria já comunicado oficialmente ao Ministério para a Transição Ecológica o encerramento destas duas centrais a partir de 1 de janeiro de 2019, o que a Endesa negou e assim comunicou aos sindicatos que representam os cerca de 300 trabalhadores das duas unidades térmicas a carvão, segundo reportou a agência Efe, citando fontes da empresa.

Apesar de não ter comunicado oficialmente o fecho das centrais as carvão, a Endesa – detida em 70% pelo grupo italiano Enel – reconhece que a situação das duas unidades é “crítica” há vários anos e por isso não estão a cumprir as normas europeias.

A elétrica já realizou investimentos no total de 400 milhões de euros nas suas centrais a carvão situadas em As Pontes (A Coruña) e Litoral (Almería), que dessa forma passaram a respeitar as normativas de Bruxelas, de acordo com as mesmas fontes. A Endesa teria de investir mais 400 milhões para manter as outras duas centrais, algo que a empresa não está disposta a fazer.

O secretário de Estado da Energia espanhol, José Domínguez Abascal, disse esta semana que nove das 14 centrais térmicas a carvão que existem em Espanha fecharão em junho de 2020 por não terem feito os investimentos necessários para continuarem a operar. As restantes cinco centrais que realizaram investimentos para produzir menos emissões poluentes podem continuar a operar, mas também devem encerrar entre 2020 e 2025.

Diz o El Confidencial que a Endesa se prepara para anunciar formalmente o encerramento das centrais de Teruel e León na próxima semana, no contexto da apresentação do novo plano estratégico. O anúncio teria de ser feito agora, tendo em conta que parar a produção das duas unidades a carvão requer um período de tempo entre 12 e 18 meses. As duas centrais poderão então encerrar a 30 de junho de 2020.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Andrzej Grygiel

OCDE pede mais proteção da contratação coletiva

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Andrzej Grygiel

OCDE pede mais proteção da contratação coletiva

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Andrzej Grygiel

OCDE pede mais proteção da contratação coletiva

Outros conteúdos GMG
Endesa trava investimento e vai encerrar duas centrais a carvão em Espanha