Salários

Funcionários ameaçam governo com “primavera mais quente que o verão”

F_publica

Negociações sobre salários chegam ao Natal num impasse. Estruturas prometem contestação se o governo não aumentar todos os trabalhadores.

Ainda ninguém abandonou a mesa das negociações, mas se o governo não for além dos 50 milhões de euros previstos para aumentar os vencimentos mais baixos da Administração, os sindicatos da função pública já fazem planos para sair à rua em fevereiro. As estruturas exigem aumentos para todos e ameaçam o governo com “uma primavera quente”, “mais quente do que o verão”, em pleno ano eleitoral.

O ultimato foi lançado ontem após uma reunião na qual o governo reiterou a posição de apenas atualizar os níveis remuneratórios mais baixos, elevando o valor mínimo da tabela para 635,07 euros – o atual quarto nível.

Várias versões deste projeto circularam, com a FESAP a dar conta de um documento no qual o governo previa a perda de pontos para progressão aos trabalhadores que a 1 de janeiro tenham remunerações aumentadas num mínimo de 28 euros. A Frente Comum e o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado dizem ter recebido projetos diferentes. Nestes, não havia lugar à perda de pontos.

O Ministério das Finanças confirmou também ao Dinheiro Vivo que a proposta sobre a mesa na reunião de ontem não incluía a perda de pontos nos aumentos que serão dados à base da tabela.

A eventual perda de créditos para atualização do nível salarial é uma das questões que a FESAP diz querer ver esclarecida. Outra questão, também levantada pela Frente Comum, diz respeito à perda de proporcionalidade nas diferenças entre os níveis mais baixos.

E ambas as estruturas sindicais prometem avançar para a contestação caso não haja aumentos para todos. “Não serão greves de um dia”, avisou José Abraão, secretário-geral da FESAP. “Se o governo mantiver esta postura, vamos ter um verão quente, vamos ter uma primavera ainda mais quente do que o verão”. A Frente Comum ameaça também arrancar com a contestação já em fevereiro. “Pode passar por uma manifestação nacional ou uma greve”, avança a coordenadora, Ana Avoila.

O Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) admite baixar a fasquia, propondo aumentos para todos, mas no mínimo iguais à inflação. A presidente, Helena Rodrigues, porém, considera também que a atual proposta constituirá “um retrocesso”. “Ela deixa de garantir que qualquer trabalhador que entre para a Administração Pública tenha como remuneração base de partida um valor igual ao salário mínimo”, lamentou em comunicado posterior à reunião.

O governo deverá voltar a reunir-se com os sindicatos em janeiro, não havendo para já nenhuma reunião marcada para a próxima semana, de Natal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
REUTERS/Pedro Nunes/File Photo

Programa de arrendamento acessível arranca a 1 de julho. Tudo o que deve saber

Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens

Governo questiona RTP sobre não transmissão de Jogos de Minsk

DHL Express Store2

DHL Express vai investir até 600 mil euros em rede de lojas pelo país

Outros conteúdos GMG
Funcionários ameaçam governo com “primavera mais quente que o verão”