Energia

BPI e BEI têm 50 milhões para empresas apostarem em eficiência energética

luzes, lâmpadas, iluminação

As empresas têm agora mais uma linha de financiamento para projetos de eficiência energética com prazos de financiamento até 20 anos.

O BPI assinou com o Banco Europeu de Investimento (BEI) um acordo de financiamento e garantia, no valor de 50 milhões de euros, com vista ao financiamento de projetos de eficiência energética para as empresas portuguesas. A linha BPI/BEI Eficiência Energética destina-se a apoiar projetos de investimento em eficiência energética realizados pelo sector empresarial, explicou o banco. “Trata-se do único acordo celebrado em Portugal no âmbito do Instrumento de Financiamento Privado para a Eficiência Energética (PF4EE) gerido pelo BEI e financiado pela Comissão Europeia através do Programa LIFE (Programa para o Ambiente e a Ação Climática 2014-2020)”, revela o comunicado.

Isto na semana em que o Ministério do Ambiente e da Transição Energética (MATE)admitiu o fracasso do programa Casa Eficiente 2000, tento em conta que em seis meses, até ao final de novembro de 2018, foram celebrados contratos no valor de aproximadamente 300 mil euros, que correspondem a apenas cerca de 120 contratos, num total de financiamento de 200 milhões de euros, em partes iguais de 100 milhões cada, pelo Banco Europeu de Investimento e pelos bancos comerciais portugueses aderentes: Caixa Geral de Depósitos, Millennium bcp e Novo Banco

“A taxa de juro que a banca está a praticar é uma taxa demasiado parecida com a do crédito pessoal para poder ser atrativa”, disse o ministro Matos Fernandes. A CGD já disse que vai rever em baixa as taxas de juro, enquanto os outros bancos ainda não disseram nada.

O objetivo do Casa Eficiente era conceder empréstimos com condições mais favoráveis aos proprietários – fossem eles empresas ou particulares – para fazerem obras para melhorar o desempenho ambiental das suas habitações: instalação de janelas com vidros duplos, modernização da instalação elétrica, aquisição de eletrodomésticos com baixo consumo energético, instalação de painéis solares, sistemas de rega inteligentes, entre muitas outras. “Até ao final de novembro de 2018 tinham ocorrido mais de 66.500 acessos ao Portal. Como resultado foram realizadas cerca de 22.800 simulações e emitidos mais de dez mil modelos de orçamento e quase 400 declarações”, disse o MATE.

Desta forma, as empresas têm agora mais uma linha de financiamento, desta vez com o BPI, para financiar projetos de eficiência energética com condições especiais de spread e prazos de financiamento até 20 anos. Para facilitar o processo de candidatura ao financiamento, o BPI e o BEI desenvolveram uma ferramenta online que permite verificar a elegibilidade dos projetos de eficiência energética e estimar o potencial de poupança de energia, custo e CO2 de cada projeto.

“Trata-se do único acordo celebrado em Portugal no âmbito do Instrumento de Financiamento Privado para a Eficiência Energética (PF4EE) gerido pelo BEI e financiado pela Comissão Europeia através do Programa LIFE (Programa para o Ambiente e a Ação Climática 2014-2020), diz o documento.

A linha BPI/BEI Eficiência Energética beneficia de uma garantia de 80% do BEI, operação a operação, que permite ao banco disponibilizar condições especiais de spread e financiamentos a prazos mais longos (até 20 anos). Estes prazos permitem às empresas adequar a maturidade do financiamento ao payback dos respetivos investimentos.

As operações elegíveis terão de ser localizadas em Portugal, com um investimento até 10 milhões de euros (inclusive) e realizadas até 21 de junho de 2020. O montante da linha é de 50 milhões de euros, com um montante mínimo das operações de 40 mil euros e um máximo de 5 milhões de euros no caso de projectos realizados por PME ou de projectos relativos a requalificação de edifícios; 1.125 mil euros nos restantes casos. Pode ser financiado até 100% do investimento elegível. Quanto a prazos, três anos é o mínimo e 20 anos o máximo. O último reembolso não pode ultrapassar 31/12/2039.

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

BPI e BEI têm 50 milhões para empresas apostarem em eficiência energética