Energia

Mexia quer estabilidade para investidores e vai investir 12 mil milhões

Antonio Mexia, CEO da EDP. Fotografia: REUTERS/Timothy Gardner
Antonio Mexia, CEO da EDP. Fotografia: REUTERS/Timothy Gardner

O presidente da elétrica nacional lembrou também que a empresa vai investir 12 mil milhões de euros nos próximos quatro anos

Na Grande Entrevista dada na madrugada desta quinta-feira à RTP, o CEO da EDP, António Mexia afirmou que a alteração das regras estabelecidas aquando da privatização da empresa acabou por perturbar os investidores e acionistas.

O presidente da elétrica nacional lembrou também que a empresa vai investir 12 mil milhões de euros nos próximos quatro anos. O investimento vai ser direcionado para as redes de distribuição de eletricidade, projetos solares fotovoltaicos e ainda eólicos, tal como o CEO já tinha avançado na atualização estratégica apresentada e Londres.

“Estamos completamente comprometidos. O que é preciso? Que haja uma estabilidade das regras para dar estabilidade aos investidores. É natural que certos acontecimentos tenham perturbado os investidores, em particular aqueles a quem foram dadas garantias de que não se iriam mudar as regras”, disse Mexia, referindo-se aos chineses da CTG, que há quase um ano lançaram uma OPA sobre a EDP e a EDP Renováveis.

Mexia referia-se também em concreto à entrada dos chineses da CTG na EDP, que foi feita no quadro específico das regras da privatização da empresa, que nessa altura incluíam a 100% todas as rendas e rentabilidades garantidas pelos custos de manutenção do equilíbrio contratual (CMEC) atribuídos às centrais da EDP até 2027.

Rendas essas que foram já cortadas em parte pela anterior tutela e que o relatório final da comissão de inquérito quer mesmo ver revertidas, corrigidas e devolvidas aos consumidores.

“Com ou sem OPA, a EDP será sempre uma grande empresa pela capacidade de se tornar global. Não depende da OPA”, disse o CEO, acrescentando ainda: “A OPA teve mérito. Para a semana os acionistas terão oportunidade de dizer o que pensam sobre a OPA”.

A entrevista exibida na madrugada desta quinta-feira na RTP3 surge na véspera de uma Assembleia Geral de Acionistas decisiva, que poderá ditar a extinção da OPA, ou obrigar a CMVM a dar apenas 45 dias à CTG para completar todo o processo para levar a OPA a bom porto.

Em atualização

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Mexia quer estabilidade para investidores e vai investir 12 mil milhões