Tensão

Irão decreta fim da diplomacia com os EUA

Donald Trump anunciou esta semana mais sanções ao Irão. Fotografia: D.R.
Donald Trump anunciou esta semana mais sanções ao Irão. Fotografia: D.R.

As novas sanções negam a Khamenei e altos militares iranianos acesso a recursos financeiros sob jurisdição norte-americana

O Irão criticou os EUA pelas novas sanções contra o líder supremo da República Islâmica e outros altos responsáveis e afirmou que estas medidas significam o fim da diplomacia entre Teerão e Washington.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, promulgou as novas sanções esta segunda-feira contra vários responsáveis iranianos, entre eles o aiatola Ali Khamenei. As autoridades norte-americanas também informaram que planeiam sanções contra o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif.

A agência iraniana de notícias estatais Irna citou hoje o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Abbas Mousavi, que afirmou que a decisão de Trump significa o fim da diplomacia entre os dois países.

“As sanções infrutíferas à liderança do Irão e ao chefe da diplomacia iraniana significam o fim permanente do caminho da diplomacia com a administração frustrada dos EUA”, disse Mousavi.

Washington diz que as medidas foram tomadas para desencorajar Teerão de desenvolver armas nucleares e de apoiar grupos extremistas.

A decisão foi tomada num clima de crescentes tensões entre o Irão e os EUA sobre o acordo nuclear de Teerão com diversas potências mundiais e que foi abandonado por Washington.

A declaração de Mousavi surgiu depois do embaixador do Irão na ONU, Majid Takht Ravanchi, ter advertido na segunda-feira que a situação no Golfo Pérsico é “muito perigosa” e que qualquer negociação com os EUA é impossível diante da escalada de sanções e intimidações.

Enquanto isso, o enviado norte-americano nas Nações Unidas, Jonathan Cohen, disse que o objetivo da administração liderada por Donald Trump é conduzir de novo Teerão à mesa das negociações.

As sanções surgiram na sequência do abate de um drone norte-americano pelo Irão na semana passada, sobre o Estreito de Hormuz, um ataque que agravou a crise no Golfo Pérsico.

Após a queda do drone, Trump recuou no último momento na decisão de desencadear ataques militares sobre o Irão, mas continuou a sua campanha de pressão sobre Teerão.

Trump voltou a impor sanções contra o Irão depois de retirar os EUA do pacto nuclear que as potências mundiais fizeram com Teerão em 2015.

A última vaga de sanções nega a Khamenei e altos militares iranianos acesso a recursos financeiros e a quaisquer ativos sob jurisdição norte-americana.

Trump disse que as novas sanções não são apenas uma resposta à queda do drone norte-americano. Os EUA culparam o Irão por ataques a dois petroleiros este mês perto do Estreito de Hormuz.

Após estes episódios e na posse de alegadas informações sobre outras ameaças iranianas, os EUA enviaram um porta-aviões para a região do Golfo Pérsico e reforçaram as tropas ali estacionadas.

As sanções foram anunciadas quando o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, mantinha conversas no Médio Oriente com responsáveis dos Emirados Árabes Unidos e da Arábia Saudita sobre a criação de uma ampla coligação que incluísse países asiáticos e europeus para combater o Irão.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Irão decreta fim da diplomacia com os EUA