Semana do Clima

EDP assina compromisso para limitar aquecimento global a 1,5°C

António Mexia, CEO da EDP. (Fotografia: Sara Matos / Global Imagens)
António Mexia, CEO da EDP. (Fotografia: Sara Matos / Global Imagens)

O desafio foi lançado em junho pelas Nações Unidas através de uma carta aberta dirigida a líderes empresariais.

O compromisso ‘Business Ambition for 1,5ºC – Our Only Future’ foi formalizado esta segunda-feira em Nova Iorque e junta um grupo de empresas entre as quais a Vodafone, Nestlé, Unilever, Telefónica, e a portuguesa EDP, entre outras, em resposta a um apelo da ONU. Esta é uma das muitas iniciativas que está a marcar a Semana do Clima na cidade norte-americana.

A EDP é assim uma das 87 grandes empresas globais que assumiu o compromisso de reduzir emissões para garantir que o aquecimento global não excede 1,5° C. O desafio foi lançado em junho pelas Nações Unidas através de uma carta aberta dirigida a líderes empresariais com um apelo: que definissem objetivos ambiciosos de redução de emissões para conter o aumento da temperatura do planeta em 1,5°, em linha com as recomendações do relatório de 2018 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

O compromisso assumido passará por um conjunto de ações que serão validadas por uma organização independente, a Science-Based Targets initiative, e que visam contribuir para o controlo da temperatura global.

Para António Mexia, o presidente executivo do grupo EDP, que participa no encontro em Nova Iorque onde vários líderes empresariais assumiram publicamente este compromisso, “ficou claro com o estudo do IPCC de 2018 que há um mundo de diferença entre 1,5° e 2°C. Precisamos de ser mais ambiciosos e de fazer mais, trabalhando em conjunto, empresas e governos. Na EDP há muito que percebemos que a descarbonização tem de ser vista como uma oportunidade e que a eletrificação é a principal medida para garantir esta transição indispensável. Se há dez anos já tínhamos targets ambiciosos de redução de emissões, agora reforçamos essa ambição”.

A EDP já tinha estabelecido uma meta de redução de emissões para cumprir os limites de aquecimento da temperatura em 2°C, mas reforça agora a sua ambição de contribuir de forma mais acelerada para o combate às alterações climáticas.

As metas definidas pela EDP no ‘Strategic Update’ apresentado ao mercado em março deste ano definem que até 2030 mais de 90% da geração de eletricidade do grupo será feita a partir de fontes renováveis e haverá uma redução de 90% das emissões de específicas de CO2 face aos valores de 2005.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. FILIPE FARINHA/LUSA

Marcelo promulga descida do IVA da luz consoante consumos

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

EDP assina compromisso para limitar aquecimento global a 1,5°C