Coronavírus

“As decisões do Governo para apoiar as empresas vão no bom sentido”

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva.  JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA
O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O governo ouviu os empresários e compreendeu a situação sem precedentes que estamos a viver, considerou António Saraiva, presidente da CIP.

António Saraiva, presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), considerou hoje que as medidas do Governo para apoiar as empresas, os empresários e os trabalhadores neste período de “grande incerteza” nacional e global “vão no bom sentido”.

“Num momento ainda de grande incerteza nacional e global, as decisões recentes do governo para apoiar as empresas, os empresários e os trabalhadores vão no bom sentido”, considerou, adiantando que “estas boas decisões são um começo que permitem olhar para o imediato com a rede de segurança indispensável que nos coloca em linha com o resto da Europa”.

“O governo, particularmente o primeiro-ministro [António Costa] e o ministro da Economia [Pedro Siza Vieira], ouviu os empresários e compreendeu a situação sem precedentes que estamos a viver”.

A CIP vê nestas propostas “parte das sugestões” que fez ao Governo e que “nunca deixou cair” para que as empresas pudessem ter “um quadro de atuação mais estável menos incerto”, realçou o líder empresarial.

António Saraiva referiu ainda que a União Europeia “também parece ir no mesmo sentido, o que é uma boa e invulgar notícia”.

Portugal só ultrapassará rapidamente esta crise, defende o presidente da CIP, “se existir um quadro estabilizado de apoios e se os empresários revelarem a sua habitual capacidade de execução”.

No entanto, alertou que “a concretização administrativa das medidas faça sempre a diferença”, lembrando que os empresários “querem ultrapassar esta crise e voltar depressa aos tempos de crescimento, com mais produtividade, melhores resultados para as suas empresas e para os seus trabalhadores”.

O Programa de Estabilização Económica e Social (PEES) contempla, entre outras medidas, uma isenção de parte ou da totalidade dos pagamentos por conta do IRC (Imposto sobre o Rendimento as Pessoas Coletivas) em função da quebra da faturação registada pelas empresas no primeiro semestre de 2020.

Em 2020, as empresas com quebra de faturação superior a 20% no primeiro semestre têm uma redução de 50% dos pagamentos por conta, havendo uma isenção total deste adiantamento do IRC para as que registem uma quebra de faturação acima dos 40%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. FILIPE FARINHA/LUSA

Marcelo promulga descida do IVA da luz consoante consumos

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

“As decisões do Governo para apoiar as empresas vão no bom sentido”