obras públicas

2015 foi o pior ano para as obras públicas desde a entrada da troika

Foto: Paulo Jorge Magalhães / Global Imagens
Foto: Paulo Jorge Magalhães / Global Imagens

Os contratos celebrados em resultado de concursos públicos registaram uma expressiva queda de 49,7%

A Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) afirma que o setor da construção celebrou contratos no valor de 1.120 milhões de euros em 2015, menos 35% do que o ano anterior.

“O ano de 2015 encerra com um total de 1.120 milhões de euros, o que representa uma queda de 35% face a 2014”, quando foram contratualizados 1.674 milhões de euros, afirma a AICCOPN em comunicado.

Apenas no mês de dezembro, os contratos celebrados situaram-se nos 107 milhões de euros, ou seja, mais 28 milhões do que o apurado no mês anterior.

Os contratos celebrados em resultado de ajustes diretos encerraram o ano com uma queda de -0,2%, enquanto os contratos celebrados em resultado de concursos públicos registaram uma expressiva queda de 49,7% face a 2014.

A associação sublinha que “2015 foi o pior ano para o mercado das obras públicas desde a entrada da ‘troika’ em Portugal”, em 2011, porque nesse ano os contratos celebrados totalizaram os 2.627 milhões de euros e registaram no ano passado o valor mais baixo dos últimos quatro anos.

O mesmo acontece no montante dos contratos promovidos: “2015 termina com um total de 1.237 milhões de euros de concursos de obras públicas promovidos, valor que representa uma quebra de 22% face a 2014”, escreve a AICCOPN.

Este é o valor mais baixo registado desde 2011, quando os contratos promovidos representavam 2.730 milhões de euros.

Apesar de apenas no mês de dezembro os contratos de empreitadas de obras públicas promovidos terem representado 112 milhões de euros, o dobro do verificado no mês anterior, a AICCOPN afirma que a recuperação desse mês “foi incapaz de alterar um cenário profundamente negativo” no setor, uma vez que “o nível de concursos lançados apresentou sempre variações homólogas muito negativas”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(REUTERS/Kevin Coombs)

Brexit. Europa avalia nova data para o divórcio: 31 de janeiro de 2020

(REUTERS/Kevin Coombs)

Brexit. Europa avalia nova data para o divórcio: 31 de janeiro de 2020

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República portuguesa. Foto: REUTERS/Benoit Tessier

Marcelo pede mais crescimento. “Este que temos não chega”

Outros conteúdos GMG
2015 foi o pior ano para as obras públicas desde a entrada da troika