Arrendamento

Arrendar uma casa em Lisboa leva 90% do salário

Fotografia: Carlos Manuel Martins/Global Imagens
Fotografia: Carlos Manuel Martins/Global Imagens

Custo de vida. Jovens têm cada vez mais dificuldade em sair de casa dos pais: um T2 custa 760 euros por mês; salário médio é 829 euros

Arrendar uma casa em Lisboa chega a custar 90% do salário; no Porto, fica pela metade. Bem acima da taxa máxima de esforço de 30% recomendada. E a esmagadora maioria dos jovens tem ainda maiores dificuldades, com o valor das rendas a ultrapassar, muitas das vezes, o rendimento líquido que levam para casa.

“É uma realidade inegável que as rendas habitacionais em Lisboa têm valorizado e que, de facto, em média, são pouco acessíveis para o nível de rendimentos, especialmente se falarmos de jovens que pretendam viver sozinhos”, admite Patrícia Barão, diretora do departamento residencial da JLL.

O preço médio de um apartamento T2 em Lisboa ronda os 760 euros, valor praticamente proibitivo para o salário médio que, em Portugal, é de 829 euros. A taxa de esforço é, nestes casos, superior a 90%. No Porto, o preço médio pedido pelos proprietários para um apartamento da mesma tipologia é de 440 euros, segundo dados da Confidencial Imobiliário. Apesar das rendas serem bastante inferiores às praticadas em Lisboa, o custo de um apartamento de 80 metros quadrados leva metade do salário.

“São rendas proibitivas para um casal com um rendimento médio”, reconhece Romão Lavadinho, da Associação dos Inquilinos, salientando que “os proprietários ainda não perceberam que é preferível baixar o valor das rendas e terem as casas cheias, do que vazias”. É que “a procura por rendas de valores entre 250 a 300 euros é enorme. Mas o valor das rendas raramente fica abaixo de 500 euros”.

O mercado de arrendamento está pouco pouco dinamizado; Portugal, com a maior facilidade de crédito e os juros baixos, tornou-se num país de proprietários, dizem os analistas. Em 2011, o último ano dos censos, apenas 20% das pessoas arrendava casa.

A situação é ainda mais negra para os jovens. A grande maioria dos trabalhadores portugueses com idade entre 25 e 34 anos ganha até 900 euros por mês; mais de 30% não leva para casa mais de 600 euros. As rendas das grandes cidades são, por isso, na esmagadora maioria das vezes superiores aos salário.

É por isto que Pedro T., 25 anos, a trabalhar desde que acabou a licenciatura, resolveu morar com amigos. A receber o salário mínimo nacional, 530 euros, e com um contrato a termo, não tem nem o rendimento nem a estabilidade laboral necessária para assegurar um apartamento por si só. Mesmo assim, a casa em Lisboa que divide com três colegas custa-lhe mais de 300 euros todos os meses – bem mais de metade do seu parco rendimento mensal.

João Camargo, dos Precários Inflexíveis, diz que situações como a de Pedro são transversais. “A maior parte dos jovens opta por parcerias entre amigos ou subaluguer. Quando não consegue, acaba por ficar na casa dos pais”.

O Governo disponibiliza programas como o Porta 65 para facilitar a independência nos primeiros anos de vida ativa. Mas João Camargo diz que é este apoio é insuficiente e apela a uma maior dinamização das habitações sociais, que “são miseráveis, em zonas periféricas e que exigem muitos gastos em transportes”.

Para que os valores pedidos pelos proprietários possam descer, teria de haver mais casas a preços acessíveis para arrendar, de modo a satisfazer a procura, diz Patrícia Barão. No entanto, admite, que a localização da casa ainda faz toda a diferença: os preços são mais elevados “em zonas que são hoje mais procuradas e trendy, como as zonas históricas e centro da cidade, onde há mais fluxo turístico, onde há reabilitação visível dos espaços”. Quando a centralidade ou a acessibilidade diminuem, aumenta a oferta de casas “com rendas menos valorizadas”. Mesmo assim, “obviamente que, em geral, Lisboa será sempre mais valorizada”.

“Em cidades como Lisboa, a lei que irá duplicar o valor do IMI a pagar por casas vazias poderá contribuir para colocar mais casas no mercado e ajudar a baixar os preços”, acredita Romão Lavadinho.

Mas, apesar de todos admitirem que as rendas praticadas em Portugal estão pouco ajustadas aos salários, a tendência é para aumentarem. Promotores e mediadores imobiliários acreditam que os preços das casas vão valorizar 4% nos próximos cinco anos, à boleia da recuperação do mercado e da redução do desemprego. O último inquérito da Confidencial Imobiliário realça o boom na procura de casas para arrendar no mês de dezembro. “No futuro, espera-se que o mercado de arrendamento continue a crescer. As expectativas apontam para um aumento adicional no valor das rendas no curto prazo”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
epa05492274 A handout picture provided by Intel Corp. on 17 August 2016 shows Intel CEO Brian Krzanich (L) and Technical Marketing Engineer Craig Raymond (R) demonstrating the Project Alloy virtual reality headset during a presentation at the Intel Developer Forum in San Francisco, California, USA, 16 August 2016.  EPA/INTEL CORPORATION/HANDOUT  HANDOUT EDITORIAL USE ONLY/NO SALES

Project Alloy. Não é realidade virtual, é realidade misturada

U274388

Acordo entre PP e Cidadanos prevê cortes de mil milhões de euros

Rui Freire conta com experiência na Microsoft, grupo Havas e Global Media Group. Fotografia: DR

Rui Freire passa da Microsoft para o grupo Omnicom

Em 2015, a cadeia celebrou o14.º ano de atividade em Portugal com remodelação dos armazéns de Lisboa e Porto.

Lucros do El Corte Inglés em Portugal sobem 3,8% em 2015

Fotografia: REUTERS/ Lucy Nicholson

Estes são os atores mais bem pagos do mundo, segundo a Forbes

arranjar emprego

Gig economy. A nova moda do mercado laboral não serve a Portugal

Conteúdo Patrocinado
Arrendar uma casa em Lisboa leva 90% do salário