retalho

50% das espanholas já compra a roupa no supermercado

Nova Loja Lidl Sacavém - interior
Foto: D.R.

Supermercados conquistam terreno às cadeias de vestuário com oferta que procura aliar design, qualidade e preços baixos.

Comprar roupa e encher a despensa requerem muito tempo e uma em cada três espanholas diz não o ter, por isso 50% admite que já compra vestuário na mesma loja onde adquire a fruta e os legumes, a carne e os iogurtes. Isto são nove milhões de espanholas rendidas às propostas dos supermercados que, cada vez mais, apostam em design, qualidade e preço do vestuário para conquistar novas áreas.

Os resultados do estudo da consultora Kantar Worldpanel, encomendado pelo Lidl, foram divulgados esta semana pelo El Mundo, dando conta da alteração de paradigma no país vizinho. Segundo a imprensa espanhola, a área têxtil do grupo de retalho alemão já representa 10% do negócio em Espanha.

Segundo Arantxa Conde, responsável de Relações Públicas do Lidl em Espanha, “as espanholas perderam os complexos e já não têm vergonha de dizer que compram roupa no supermercado”. De facto, segundo o estudo referido, 79% tem orgulho de dizer que, ali, encontram roupa a preços mais baixos do que nas lojas especializadas.

Um especialista em consumo da Kantar Worldpanel, Florencio Garcia, adiantou que “cada vez mais espanholas preferem combinar roupa de marcas reconhecidas com opções mais económicas”. Segundo o estudo, metade prefere comprar mais roupas mais baratas do que comprar menos peças mais caras. Até porque 90% não acredita que o mais caro tenha mais qualidade.

Ciente dessa tendência, o Lidl tem vindo a reforçar a aposta nas suas marcas de vestuário feminino (Esmara), masculino (Livergy), infantil (Pepperts) e de bebé (Lupilu), em articulação com a estilista Mayte de la Iglesia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
2. Os telemóveis desvalorizam até 78% do investimento num ano

Burlas com SMS custam um milhão por ano aos consumidores

Ana Jacinto, secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) antes de uma entrevista, esta manhã nos estúdios TSF.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Ana Jacinto. Hotelaria e restauração precisam de mais de 40 mil trabalhadores

Austin, EUA

Conheça o ranking das cidades mais desejadas pelos millennials em 2020

50% das espanholas já compra a roupa no supermercado