Brexit

Lagarde. Impacto do Brexit “pode ir de mau a muito, muito mau”

Christine Lagarde, diretora-geral do FMI. Fotografia: Jacky Naegelen/Reuters
Christine Lagarde, diretora-geral do FMI. Fotografia: Jacky Naegelen/Reuters

Líder do FMI diz que não vê vantagens na saída do Reino Unido da União Europeia.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) não vê vantagens na saída do Reino Unido da União Europeia, ou Brexit.

A líder do FMI afirmou esta sexta-feira, citada pela Reuters, que não há vantagens económicas no Brexit e que o impacto “pode ir de muito mau a muito, muito mau”.

O aviso surgiu depois do FMI ter dito que o país corria o risco de entrar numa espiral de fraco crescimento económico, uma redução no preço das casas e uma diminuição do investimento estrangeiro se o resultado do referendo de 23 de junho aprovar a saída do Reino Unido da União Europeia.

No relatório anual sobre a economia britânica a entidade afirmou que uma saída irá “precipitar um período de instabilidade elevada, levando a volatilidade do mercado”.

“Estas reações de mercado podem agudizar a contração da atividade económica, deprimindo ainda mais o preço dos ativos”, segundo o relatório, que repetiu o aviso de que uma situação de Brexit iria ter impacto na economia global.

Os avisos contra o Brexit têm-se sucedido nas últimas semanas. Esta terça-feira foi o Banco de Inglaterra, que afirmou que a economia ia sofrer uma queda abrupta e, possivelmente, uma ligeira recessão, uma possibilidade reforçada por Christine Lagarde.

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Bruxelas agrava projeção de contração em Portugal para 9,8%

Fotografia: Orlando Almeida/ Global Imagens.

SATA pede auxílio ao Estado no valor de 163 milhões de euros

Comissão Europeia, Bruxelas (REUTERS)

Bruxelas revê estimativas. Economia da zona euro deverá recuar 8,7% em 2020

Lagarde. Impacto do Brexit “pode ir de mau a muito, muito mau”