Função Pública

35 horas: Governo admite compensar trabalhadores

O governo está disponível para estudar formas de compensação a trabalhadores dos serviços onde as 35 horas de trabalho não podem avançar a 1 de julho.

Os funcionários públicos que trabalham em serviços ou organismos com falta de pessoal e que, por isso, não estão em condições de repor o horário semanal de trabalho nas 35 horas a partir de 1 de julho vão ser compensados pelo acréscimo do horário. Dias de descanso adicionais ou de férias são algumas das soluções possíveis.

A disponibilidade para estudar formas de compensação foi transmitida esta quarta-feira aos sindicatos da função pública durante uma reunião com o secretário de Estado da Saúde, segundo avançou ao Dinheiro Vivo o secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (Sintap/Fesap), José Abraão.

“Foi-nos dito que há disponibilidade para negociar formas de compensação aos trabalhadores com contrato de trabalho em funções públicas”, referiu o dirigente sindical. Esta hipótese permitirá solucionar os casos em que as 35 horas poriam ainda mais a nu a falta de efetivos, nomeadamente em algumas unidades hospitalares. Estas compensações estarão ativas durante o tempo necessário para concluir os processos de admissão de novos funcionários.

Ao longo dos próximos dias, as negociações (que têm envolvido sindicatos e partidos) determinarão se esta solução será integrada na norma transitória que consta da proposta do PS – e que inicialmente apenas dizia que os serviços com falta de efetivos teriam até 31 de dezembro para regressar às 35 horas, sendo este processo negociado com os sindicatos – ou se será vertida num protocolo de negociação.

O novo texto deverá também incluir uma solução para os trabalhadores vinculados através de contrato individual de trabalho. Além da norma transitória, também a “exclusão” dos CIT na referida proposta dos socialistas causou alguma divergência. Recorde-se que numa alteração à proposta inicial, o PCP estendeu as 35 horas aos CIT e esta tem também sido uma reivindicação comum a todos os sindicatos da função pública – Sintap, STE e Frente Comum.

Apesar das negociações que entretanto foram sendo realizadas, não foi possível chegar esta quarta-feira a um texto comum que reunisse o consenso de todos os partidos. Por este motivo foi decidido adiar por uma semana a votação da versão final em Comissão e também a subida a Plenário do diploma para votação final global.

O governo tem garantido o compromisso de repor as 35 horas a partir de 1 de julho, fazendo depender a medida do não aumento da fatura global de custos com pessoal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Turismo em crise já pensa no day after

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira. TIAGO PETINGA/LUSA

Governo estima que mais de um terço dos empregados fique em lay-off

Mário Centeno, Ministro das Finanças.
Fotografia: Francois Lenoir/Reuters

Folga rara. Custo médio do petróleo está 10% abaixo do previsto no Orçamento

35 horas: Governo admite compensar trabalhadores