Enriquecimento injustificado

Criminalização do enriquecimento injustificado pode ir à Constituição

Ex-presidente do Tribunal de Contas considera que este princípio pode ser consagrado constitucionalmente mas não a todos os cidadãos

O ex-presidente do Tribunal de Contas Guilherme D’Oliveira Martins defendeu esta terça-feira que a criminalização do enriquecimento injustificado pode ser consagrada constitucionalmente, mas para se cingir às funções públicas.

“A grande questão aqui é de vontade política. Quer penalizar-se o enriquecimento injustificado? Adote-se um sistema, que é possível e que o direito comparado nos concede, que é justamente a de não violar a presunção de inocência, de aplicação a quem tem funções públicas”, defendeu Oliveira Martins.

O antigo presidente do Tribunal de Contas entre 2005 e 2015 afirmou que “esta figura do enriquecimento injustificado” não é um princípio que se possa aplicar a todos os cidadãos, como o último diploma do PSD e CDS-PP que foi chumbado pelo TC pretendia.

Oliveira Martins salientou que, “se se quer adotar esta figura não se estenda o seu universo e garanta-se que o universo ao qual se aplica é um universo relativamente ao qual não há inversão do ónus da prova”.

De acordo com o professor catedrático e ex-ministro socialista, “estando em causa aqueles que têm a seu cargo dinheiros públicos, relativamente a esses o ónus da prova não se inverte porque a prova, se há suspeita, tem de ser contraditada pelo próprio acusado que tem a seu cargo dinheiros públicos”.

Oliveira Martins sublinhou que não é possível uma aplicação deste princípio a todos os cidadãos: “Seria ideal aplicar-se a todos os cidadãos? Mas isso não é possível, porque viola princípios gerais do direito e o Tribunal Constitucional tem sido unânime relativamente a essa questão”, disse.

Sobre regimes de incompatibilidades, Guilherme D’Oliveira Martins defendeu “um regime do bom senso que não afaste os melhores” e pediu “cuidado com os regimes rígidos”, que, na sua perspetiva, comportam um risco de “funcionalização” das funções públicas.

“Olhemos a plêiade da Assembleia Constituinte. Temos de correr o risco, dizer, sejamos responsáveis, percebamos que quando há conflito de interesses, ele pode existir, mas tem de ser explícito”, afirmou.

Mesmo quando se trate de “uma causa” e não de um interesse, Oliveira Martins defendeu o princípio da Câmara dos Comuns britânica: “Na dúvida, comunica-se”, frisou.

Depois de dois chumbos do Tribunal Constitucional a dois projetos distintos de criminalização do enriquecimento ilícito, os grupos parlamentares abandonaram essa via e apresentaram propostas que vão no sentido de punir a falta da apresentação de uma declaração.

Vão nesse sentido projetos de lei apresentados na comissão Eventual para o Reforço da Transparência no Exercício de Funções Públicas pelo PSD, PCP, BE e PS.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, durante a sua audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

ADSE já enviou novas tabelas de preços aos privados para negociação

Mario Draghi, Presidente do Banco Central Europeu. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BCE discutiu pacote de medidas para estimular economia na reunião de julho

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Outros conteúdos GMG
Criminalização do enriquecimento injustificado pode ir à Constituição