Imobiliário

70% dos escritórios são arrendados ainda em planta

escritorios

A falta de oferta de escritórios está a fazer com que cada vez mais as empresas avancem para pré-arrendamentos antes da conclusão do imóvel.

O maior enfoque nos mercados residencial e turístico está a fazer com que a oferta de espaços disponíveis de escritórios em Lisboa fique longe de responder à procura. As consequências deste desajustamento são várias: aumento das rendas, negócios que migram para outras cidades e subida de pré-arrendamentos.

De acordo com a consultora B. Prime, 71% da área dos edifícios em construção é pré-arrendada. Esta solução, que tem conhecido “um forte incremento”, é uma “forma de contornar a falta de edifícios modernos e que cumpram os requisitos de ocupação que as empresas procuram”, mas mas apenas está ao alcance das empresa de maior dimensão.

Esta situação resulta da fraca oferta de escritórios novos. Em 2008, quando a crise estava a dar os primeiros passos, o stock disponível de escritórios novos era de 42,4%. Esta percentagem foi reduzindo de forma gradual. De tal forma que no final do ano passado, apenas 0,7% da oferta disponível era constituída por imóveis novos.

Um valor insuficiente para “absorver a procura crescente das empresas”, precisa a consultora no seu “Prime Watch” (o estudo anual sobre mercado imobiliário comercial) e que leva a que migrem para outras cidades, por falta de espaço em Lisboa.

E quais são as zonas onde, de acordo com o Prime Watch, há maior saturação? Sobretudo Praça de Espanha, 2ª circular e Parque das Nações.

Relativamente ao mercado de investimento imobiliário comercial, que em 2017 atingiu um máximo histórico de 1 900 milhões de euros, os estrangeiros continuam a estar entre os grandes impulsionadores. As razões para este interesse são várias, mas uma delas, observa o estudo, está nas yields portuguesas que continuam a ser superiores por comparação com outros países europeus.

Neste campeonato, o Reino Unido lidera a lista de investidores internacionais com uma quota de mercado de 23%.

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

fotografia: Luís Costa Carvalho

Corticeira Amorim investe oito milhões e inaugura nova fábrica nos EUA

António Mexia lidera a EDP desde 2005

António Mexia, CEO da EDP, ganhou 6.000 euros por dia em 2018

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
70% dos escritórios são arrendados ainda em planta