crescimento

Falta de descanso rouba 640 mil milhões ao PIB

Manter uma rotina de sono e diminuir o ritmo antes de dormir ajudam a despertar mais cedo.

Só nos EUA, a falta de descanso retira o equivalente a 1,2 milhões de dias de trabalho por ano

Dormir menos de seis horas por noite aumenta a taxa de mortalidade em 13%. Mas a falta de descanso está longe de representar apenas um mal para a Saúde, a economia mundial também está a perder – e muito.

Uma análise a cinco países da OCDE – Canadá, Estados Unidos da América, Reino Unido, Alemanha e Japão – mostra uma perda global de 680,4 mil milhões de dólares (639,4 mil milhões de euros).

Os casos mais gritantes são os dos Estados Unidos e do Japão. Na América, a falta de descanso da população está a retirar 411 mil milhões de dólares (386 mil milhões de euros) todos os anos ao crescimento. Isto é, 2,92% do PIB. Já os nipónicos têm 2,92% do seu PIB comprometido pela falta de descanso, o que representa 138 mil milhões de dólares (129 mil milhões de euros) por ano.

No Reino Unido e Alemanha, a perda é menor. Os britânicos estão a comprometer 1,86% do seu PIB com noites mal dormidas e os germânicos 1,56%. Ou seja, entre 50 e 60 mil milhões de dólares, respetivamente.

estudo

Porque existe este travão à economia? A privação de sono está a associada à falta de produtividade, refere a RandEurope, responsável pelo estudo.

Por exemplo, se os norte-americanos passassem a dormir mais uma hora, a economia poderia ganhar 226,4 mil milhões de dólares (212 mil milhões).

Não é só dinheiro. Em dias de trabalho, a perda da economia norte-americana – a mais relevante – é enorme: por ano perde-se o equivalente a 1,2 milhões de dias de trabalho por descanso insuficiente. No Japão a perda equivale a 600 mil dias de trabalho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva (C), Economia, Pedro Sia Vieira (E) e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D). MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Portugal é o quarto país da UE onde é mais difícil descolar do mínimo

Falta de descanso rouba 640 mil milhões ao PIB