sapatos

A China é o país que mais caro paga pelos sapatos portugueses

Moda com descontos chama portugueses
Moda com descontos chama portugueses

A indústria de calçado portuguesa está a apostar em força na
China, um mercado de 1300 milhões de consumidores. Portugal é já o
sétimo fornecedor do gigante asiático e o objetivo é, até ao
final do próximo ano, ascender ao top 5. Só no ano passado, as
exportações nacionais cresceram 144% e a China é o país para onde
os fabricantes portugueses vendem o calçado mais caro.

“Nada acontece por acaso. Há já oito anos que a indústria
investe neste mercado e, este ano, há já 15 empresas que vão
participar em seis feiras na China. Os resultados acabam por surgir,
mas são fruto de um longo trabalho, de muitas viagens de prospeção
para escolher as melhores feiras e os melhores circuitos comerciais”,
diz Paulo Gonçalves, diretor de Comunicação da Associação
Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele
e seus Sucedâneos (APICCAPS).

Seis milhões de euros foram as exportações diretas da indústria
portuguesa de calçado para o mercado chinês em 2013. Somando as
vendas indiretas – que partiram de Portugal para um outro país da
Europa e daí para a China -, os números dão uma passada larga para
20 milhões de euros.

E se, em média, um par de sapatos português é exportado a 23
euros – o segundo valor mais elevado do mundo -, a verdade é que,
nas exportações para a China, o preço sobe para 32 euros o par, já
bem próximo do praticado pelo calçado italiano, o mais caro do
mundo, que ronda 35 euros o par. A que se deve esta valorização do
calçado nacional num país que é, simultaneamente, o maior
consumidor e também o maior fabricante mundial de calçado?

Paulo
Gonçalves garante que o “facto de sermos europeus faz toda a
diferença”, na China ou em países como o Japão, a Rússia, o
Canadá ou os EUA. É a imagem de qualidade dos produtos fabricados e
de um design exclusivo. É por isso também que, ao mesmo tempo que
se assume como “a indústria mais sexy da Europa”, o calçado
pretende investir, este ano e em 2015, mais de 20 milhões de euros
em ações de promoção internacional.

Acompanhando o momento alto das feiras de calçado ao nível
mundial, em março e setembro, a APICCAPS vai ainda colocar, durante
estes dois meses, 20 anúncios publicitários da indústria nacional
na Fashion TV. “Só no próximo mês Portugal vai estar em 20
feiras [de calçado] em todo o mundo”, refere Paulo Gonçalves,
explicando que o que se pretende é chegar aos “mais de cem mil
importadores” que nessa altura estarão em viagem. Queremos fazer
desta indústria “a mais sofisticada ao nível mundial”.

Com mais de 1350 empresas e de 35 mil postos de trabalho, a
indústria do calçado português voltou, em 2013, a bater máximos
de exportação, ultrapassando 1700 milhões de euros. E se é
verdade que os mercados europeus continuam a ser o grande destino das
vendas do sector (87%), a “grande força motora” do crescimento
da indústria está nos mercados extracomunitários, cujo peso
passou, nos últimos dois anos, de 8% para 13% no total das
exportações.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
A China é o país que mais caro paga pelos sapatos portugueses