Negócio

ACCIONA, Mota-Engil e Edivisa vão construir barragem do Alto do Tâmega

dinheiro

O consórcio foi selecionado pela Iberdrola para construir a barragem e a central hidroelétrica do Alto Tâmega, num investimento de 110 milhões.

O consórcio formado pela ACCIONA, Mota Engil e Edivisa, do grupo Visabeira, foi selecionado pela Iberdrola para construir a barragem e a central hidroelétrica do Alto Tâmega, num investimento de 110 milhões de euros, foi hoje divulgado.

Este contrato vem juntar-se a outro, já adjudicado, para “construir o túnel de adução da central hidroelétrica de Gouvães, no valor de 50 milhões de euros”, refere o grupo espanhol ACCIONA em comunicado.

E prossegue: “Ambos os projetos fazem parte do complexo hidroelétrico no rio Tâmega, uma das iniciativas hidráulicas de maior envergadura dos últimos anos na Europa, que prevê a entrada em funcionamento de três centrais hidroelétricas (Gouvães, Alto Tâmega e Daivões)”.

A capacidade de geração de energia elétrica associada a estas instalações irá atingir os 1.158 megawatts (MW), com os quais a espanhola Iberdrola pode produzir mais de 1.760 gigawatts hora (GWh) anuais.

A ACCIONA irá participar na construção da barragem do Alto Tâmega, uma estrutura de betão com abóbada de dupla curvatura e com 106,5 metros de altura, além da central hidroelétrica exterior, que ficará situada junto à barragem e incluirá dois grupos geradores de 80 MW cada um, para a produção de energia elétrica.

Adicionalmente, irá construir o circuito hidráulico da central, as obras de desvio do rio e o túnel de acesso à unidade de transformação. O túnel de adução de Gouvães, por sua vez, terá uma extensão aproximada de 4,7 quilómetros e um diâmetro de 7,3 metros, quando estiver revestido com betão, e a escavação será realizada em quatro frentes em simultâneo.

Será ainda construída a estrutura de captação localizada na albufeira de Gouvães, no rio Torno, o poço de comportas e outras obras auxiliares.

A ACCIONA é uma empresas espanhola, especialista no desenvolvimento de obras hidráulicas, incluindo centrais hidroelétricas, em mais de 50 barragens em 12 países.

Participou na barragem de Guavio, na Colômbia, uma das mais altas do mundo, com 247 metros de altura, e no complexo hidroelétrico Site C, no Canadá, um dos maiores projetos de infraestruturas do país e em Portugal participou na construção da barragem do Alqueva.

A ACCIONA Energía está presente em Portugal desde 2008 e tem 16 parques eólicos, que produzem um total de 120 MW, e a central solar fotovoltaica de Amareleja, com 46MWp.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: REUTERS/Albert Gea

Crise na Catalunha não afecta BPI

António Ramalho, presidente do Novo Banco

Novo Banco coloca PME como prioridade

Foto: Filipe Amorim / Global Imagens

Quem é Siza Vieira, o conselheiro de Costa que passa a ministro

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
ACCIONA, Mota-Engil e Edivisa vão construir barragem do Alto do Tâmega