finanças pessoais

Aceder ao investimento europeu, passo a passo

Fotografia: Mário Cruz/Lusa
Fotografia: Mário Cruz/Lusa

Criar emprego e contribuir positivamente para a economia real. O seu projeto cumpre estes critérios? O Plano Juncker pode ajudar.

Se é um empresário em busca de investimento ou se tem um projeto ainda embrionário, mas com potencial, este texto é para si. Dos 315 mil milhões de euros disponibilizados pelo Plano Juncker para o triénio 2015-2017, 183 mil milhões já foram mobilizados – 58% do total. Em Portugal, as operações aprovadas no âmbito do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos, a base do plano, representam um volume de financiamento de 1,2 mil milhões de euros. Até abril, foram aprovados 13 projetos.

Portanto, ainda há verbas. E a boa notícia é que não há quotas por país. Cabe então a cada país e a cada projeto “fazer uma candidatura que seja viável e que cumpra os critérios”, explicou Catarina Dantas Machado, European Semester Officer da representação portuguesa da Comissão Europeia, em entrevista ao Dinheiro Vivo. A criação de emprego e a “contribuição efetiva” para a economia real são os critérios principais.

Para os interessados em aceder à ajuda europeia, o primeiro passo é “saber muito bem o que se quer”. E esta vontade deve refletir-se numa proposta fundamentada e credível, apoiada num dossiê técnico bem preparado. Depois, é escolher “a porta de entrada”, mediante a dimensão do projeto. As grandes empresas podem rumar à Avenida da Liberdade, em Lisboa, à delegação do Banco Europeu de Investimento (BEI). Se não for necessário aconselhamento, basta preencher a ficha de candidatura no site do BEI com todos os elementos necessários e aguardar resposta.

Se se tratar de um projeto de menor dimensão, há duas opções. Dirigir-se ao Millennium BCP, ao BPI, à Caixa Geral de Depósitos, ao Montepio ou ao Santander Totta e pedir “informação sobre os instrumentos disponíveis ao abrigo do plano”. Estes cinco bancos têm linhas de crédito específicas, com condições “interessantes”, explicou a responsável, que referiu que pormenores como “as taxas, a maturidade ou as garantias dependem de cada banco”.

Neste caso, o projeto é financiado com dívida. Se o que procura é investimento em capital, opte pela segunda opção: os fundos de capital de risco. Neste momento, “estão protocolados com o Plano Juncker e a planear investir em Portugal” três fundos: o Growth Equity Fund Mid-Cap (para PME e empresas de capitalização média, baseado em Espanha), o Susi Renewable Energy (para projetos do setor das energias renováveis, baseado na Suíça) e o Transport and Social Infrastructure Fund (área dos transportes e das infraestruturas sociais, baseado em França).

Há ainda uma terceira porta “que em Portugal ainda não se concretizou”, mas há potencial: a Plataforma de Investimento, que permite a agregação de “muitos pequenos projetos de investimento num só projeto baseado num critério comum”. Em França foi criada uma plataforma de investimento que consistia em agregar pequenos investidores [cidadãos e famílias] que quisessem instalar em sua casa um sistema de energia eficiente. Depois de reunido um “conjunto muito vasto de lares interessados em beneficiar” foi criada uma plataforma. A iniciativa tem de ser conduzida por uma entidade que tenha os meios técnicos para agregar todos os pequenos investidores e a quem cabe a gestão do processo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Aceder ao investimento europeu, passo a passo