Lisboa

ACP: Proposta para a Baixa é bem intencionada mas está muito incompleta

Foto: Paulo Spranger/Global Imagens
Foto: Paulo Spranger/Global Imagens

Associação critica uma década de inércia da Câmara na redução de emissões e criação de parques dissuasores. E quer ajudar a melhorar a ideia.

A ideia de tirar carros da Baixa tem “virtudes”, mas como está apresentada pouco resolve. O Automóvel Club de Portugal (ACP) reconhece valor no plano apresentado por Fernando Medina para controlar emissões poluentes, mas sublinha que, mesmo com a reduzida informação que foi disponibilizada sobre o assunto – e que deixa mais dúvidas do que respostas -, são evidentes falhas que é preciso resolver. E disponibiliza-se para ajudar Medina a pensar em soluções que melhor cumpram o objetivo.

Em reação ao plano apresentado ontem (veja aqui como vai ficar a Baixa sem carros), o ACP começa por lembrar que “nos últimos 10 anos, a autarquia nada fez para fiscalizar e reduzir as emissões poluentes nas denominadas ZER (Zona de Emissões Reduzidas)” e criticar a “inércia que também se verifica quanto à criação de parques dissuasores nas entradas da cidade e de parques de estacionamento no seu miolo”. E por essas e outras razões acredita que, como está, o projeto de Medina pouco mais será do que “uma obra de embelezamento avulsa, sem ter em conta a mobilidade integrada que se deseja numa grande cidade”.

Para a instituição liderada por Carlos Barbosa, há oito questões que precisam de ser esclarecidas o quanto antes, incluindo a falta de um estudo de mobilidade sustentado, as soluções pensadas para as vias adjacentes às que ficam sem trânsito – e que terão um aumento médio de 50% do tráfego, com consequente aumento de emissões poluentes – e o que está previsto relativamente à circulação de veículos de emergência (veja mais abaixo a lista completa).

Com quase tudo por esclarecer, o ACP mostra-se ainda assim disponível para “reunir com a Câmara Municipal de Lisboa e todas as entidades participantes neste projeto, no sentido de um caminho comum com as melhores soluções para quem vive e visita Lisboa”. E deixa, só partindo do pouco que se conhece do projeto, um conjunto de 22 propostas de enriquecimento que passam, por exemplo, por questões como a definição de “um corredor permanente de emergência que promova a garantia das condições de acessibilidade em toda a ZER, a veículos de emergência, nomeadamente bombeiros”; o impulso para repensar a “criação de 16 mil lugares de estacionamento em parques dissuasores, ideia lançada pelo ACP em 2018”; a inclusão de permissão de circulação de carros afetos a plataformas (até porque são mais recentes e portanto menos poluentes do que a rede de táxis); e o reforço da oferta de transportes públicos e bicicletas partilhadas, entre outros.

Eis as oito questões que preocupam o ACP:

  1. Desconhece-se qualquer estudo de mobilidade que sustente a atual opção política do alargamento da ZER Avenida l Baixa l Chiado, bem como a lista de efeitos diretos e indiretos na malha urbana vizinha à ZER;
  2. Destacamos a necessidade de ser disponibilizado o projeto resultante deste conjunto de intenções, por forma a poder contribuir tecnicamente na busca de uma melhoria da solução apresentada;
  3. Quais as medidas de gestão de circulação e estacionamento previstas neste projeto, para atenuar os efeitos do acréscimo substancial de tráfego em algumas artérias adjacentes impreparadas para receber fluxos superiores a 50% dos volumes atuais, com os efeitos já conhecidos ao nível do aumento da produção de emissões poluentes: Rua dos Fanqueiros; Rua da Madalena; Rua do Alecrim; Zona do Campo Santana;
  4. Desconhecimento da totalidade dos lugares de estacionamento suprimidos à superfície na área de intervenção;
  5. Desconhecimento da oferta real de estacionamento livre e não comprometida com a procura turística / imobiliária nos parques subterrâneos existentes na ZER;
  6. Quais os efeitos e que soluções estão definidas para a garantia da circulação de viaturas de emergência no acesso ao Hospital de São José;
  7. Quais as medidas previstas pela Câmara de Lisboa para combater o aumento dos níveis de poluição resultantes das mais recentes intervenções na Cidade de Lisboa – Entrecampos, Cais do Sodré;
  8. Qual a justificação para a inibição da circulação de veículos afetos à UBER ou outras plataformas de mobilidade partilhada idênticas que não sejam 100% elétricas – convém relembrar que as frotas destas empresas são mais recentes que a maioria dos táxis que circulam na cidade;

E são estas as 22 propostas deixadas pela instituição:

  1. Alargamento do período de acesso condicionado em toda a ZER, até às 8.30 horas, por forma a facilitar tanto o acesso às escolas, como das necessidades naturais dos moradores em zonas adjacentes, desde logo nas colinas;
  2. Revisão completa de todo o esquema de sinalização informativa / turística na cidade, com destaque para a sinalização direcional de centro;
  3. Reforço da oferta na rede de metropolitano em toda a ZER e estações envolventes;
  4. Reforço da oferta de bicicletas partilhadas em toda a ZER Avenida l Baixa l Chiado;
  5. Possibilidade de os veículos ao serviço da mobilidade partilhada, poderem aceder à ZER Avenida l Baixa l Chiado;
  6. Possibilidade de extensão do período afeto a cargas e descargas decorrer até às 8 horas;
  7. Restrição da circulação de autocarros da Carris apenas aos veículos adquiridos a partir de 2018;
  8. Disponibilização de sistema informativo da disponibilidade de lugares de estacionamento em toda a ZER e zonas envolventes;
  9. Possibilidade de as viaturas afetas à UBER e outras plataformas de mobilidade partilhada acederem à ZER, uma vez que são mais recentes que a maioria dos táxis em circulação na cidade;
  10. Possibilidade do acesso de viaturas híbridas plug-in à zona condicionada nos mesmos moldes que as viaturas elétricas;
  11. Reforço da oferta da única carreira da rede de elétricos da Carris que atravessa toda a ZER, nomeadamente a carreira 28, em virtude do acréscimo de turistas;
  12. Melhorar as condições de acessibilidade às estações de metropolitano Baixa/Chiado, Rossio, Restauradores, Avenida e Cais do Sodré, nomeadamente ao nível das escadas rolantes e elevadores;
  13. Melhorar as condições de iluminação pública em espaços e ruas mais afastados das grandes artérias existentes em toda a ZER;
  14. Reserva de lugares de estacionamento para veículos ao serviço da mobilidade partilhada – carsharing;
  15. Implementação gradual da ZER, com a validação da solução final, a decorrer após um período experimental de três meses;
  16. Avaliação da oportunidade de repensar a concretização da proposta de criação de 16 mil lugares de estacionamento em parques dissuasores lançada pelo ACP em 2018;
  17. Criação de medidas que potenciem na solução final a promoção do aumento da velocidade comercial da frota da Carris em toda a ZER, em interligação com toda a zona envolvente;
  18. Melhoria efetiva das condições de acessibilidade e estadia, em todas as paragens de autocarros integradas na ZER;
  19. Reforço da implementação de postos de carregamento rápido para viaturas elétricas ou hibridas / plug-in em toda a ZER e envolventes;
  20. Definição de um corredor permanente de emergência que promova a garantia das condições de acessibilidade em toda a ZER, a veículos de emergência, nomeadamente bombeiros;
  21. Melhoria efetiva das paragens de táxis;
  22. Reforço das zonas de videovigilância em todo o perímetro da ZER;
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

ACP: Proposta para a Baixa é bem intencionada mas está muito incompleta