ADSE

ADSE define critérios para penalizar “más práticas” dos privados

( Jorge Amaral/Global Imagens )
( Jorge Amaral/Global Imagens )

A questão volta a ser discutida esta sexta-feira pelo Conselho Geral de Supervisão (CGS).

A ADSE elaborou uma lista de critérios que servirão de base à decisão sobre o alargamento dos acordos existentes ou a atribuição de novas convenções. Assim, os privados com “más práticas” de faturação serão penalizados, escreve o Jornal de Negócios, esta sexta-feira.

Em causa estão práticas como, por exemplo, a discriminação negativa dos beneficiários da ADSE em detrimento de beneficiários de seguros ou particulares, o aproveitamento das convenções para criar carteiras de clientes e passar os beneficiários para o regime livre ou a faturação de parte dos cuidados em regime livre e parte no convencionado. A questão volta a ser discutida esta sexta-feira pelo Conselho Geral de Supervisão (CGS).

Um dos critérios para celebrar novas convenções será o preço. A ADSE explica que irá haver uma ponderação positiva a prestadores que assegurem o preço mais económico.

A notícia é dada numa altura em que vários grupos privados ameaçaram suspender os acordos a partir de abril. Mas esta semana, o grupo José Mello Saúde, dono dos hospitais CUF, recuou na sua intenção de suspender com a ADSE a adesão ao regime de preços e as partes encontram-se em negociações. A Luz Saúde permanece em silêncio.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP

Exportações e turismo afundam 9,6% e geram recessão de 2,3% no 1º trimestre

24/04/2019 - Decorre esta tarde a Assembleia Geral da EDP na Sede da EDP na Av 24 de Julho
João Manso Neto, António Mexia e Miguel Stilwell de Andrade
(Diana Quintela / Global Imagens)

Mexia e Manso Neto pedem recusa do juiz Carlos Alexandre

lisboa casas turismo salarios portugal

Turismo praticamente paralisado em abril

ADSE define critérios para penalizar “más práticas” dos privados