Aeronáutica brasileira Embraer já tem 450 trabalhadores diretos em Évora

Embraer já tem 450 trabalhadores diretos em Évora e assegura outros "120 postos de trabalho de profissionais" ligados a prestadores de serviços.

A construtora aeronáutica brasileira Embraer tem já 450 trabalhadores diretos em Évora, assegurando também outros "120 postos de trabalho de profissionais" ligados a prestadores de serviços, revelou hoje o presidente da empresa em Portugal.

"Temos, neste momento, 450 empregados no total das duas fábricas e do nosso Centro de Engenharia", unidades que funcionam no Parque de Indústria Aeronáutica de Évora (PIAE), disse à agência Lusa Paulo Marchioto.

O presidente da Embraer Portugal frisou que, a estes, somam-se os "cerca de 120 postos de trabalho de profissionais ligados aos fornecedores de serviços" das duas fábricas (uma de estruturas metálicas e outra em materiais compósitos) e que trabalham em Évora.

Inauguradas em 2012, a Embraer Metálicas e a Embraer Compósitos envolveram um investimento inicial a rondar os 180 milhões de euros e, dois anos depois, a empresa criou também um centro de engenharia e tecnologia na cidade alentejana.

As duas unidades fabris, explicou Paulo Marchioto, "continuam a fornecer produtos da Embraer nos três segmentos em que o grupo compete".

Na aviação comercial, são fabricadas peças "para os quatro modelos" da primeira geração dos E-Jets (E1) e para "os três modelos" dos novos aviões da segunda geração de jatos da empresa (E2), indicou o presidente da empresa em Portugal.

Paulo Marchioto falava à Lusa a propósito do primeiro voo no espaço aéreo norueguês realizado hoje pelo primeiro E190-E2 produzido no mundo pela empresa brasileira, operado pela companhia aérea Widerøe.

Em termos de aviação executiva, continuou, saem de Évora componentes para "os modelos Phenom 100, Legacy 450, 500 e 650", enquanto, na área da defesa e segurança, as fábricas alentejanas produzem peças para o novo KC-390.

Portugal, referiu o responsável, "mantém-se como um dos principais parceiros estratégicos no exterior" para a construtora aeronáutica brasileira, tal como foi "definido há 10 anos, quando a presença em Évora foi estruturada".

E é o país, destacou, onde a empresa "continua a desenvolver uma base tecnológica assente em competências avançadas e únicas dentro do grupo".

A Lusa questionou a Embraer a propósito do KC-390 e sobre o ponto de situação das negociações com o Estado português para a compra de cinco destas aeronaves, mas a empresa limitou-se a dizer que, "por regra", não cometa "detalhes neste tipo de processos negociais".

Empresa global com sede no Brasil, a Embraer foi fundada em 1969 e, até hoje, já entregou mais de oito mil aeronaves.

Líder no fabrico de jatos comerciais de até 150 assentos e a principal exportadora de bens de alto valor agregado do Brasil, a empresa possui unidades industriais, escritórios e centros de serviços na América, África, Ásia e Europa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG