aeroporto do Montijo

Aeroporto do Montijo cria 10 mil empregos

Montijo- 07/01/2019. Reportagem no Montijo, onde será construído o novo aeroporto, na véspera da assinatura do protocolo de construção do novo aeroporto , na base aŽrea n¼ 6.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)
Montijo- 07/01/2019. Reportagem no Montijo, onde será construído o novo aeroporto, na véspera da assinatura do protocolo de construção do novo aeroporto , na base aŽrea n¼ 6. (PAULO SPRANGER/Global Imagens)

O Governo continua a apontar 2022 como o ano de conclusão das obras.

O Estado e a concessionária dos aeroportos nacionais formalizaram esta terça-feira, dia 8 de janeiro, o acordo para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa e o desenvolvimento do aeroporto complementar do Montijo, previsto entrar em funcionamento em 2022.

“Assinalamos hoje um momento marcante para a expansão da capacidade aeroportuária do nosso país”, disse Pedro Marques, ministro do Planeamento e das Infraestruturas, na cerimónia de acordo de financiamento, que decorreu na Base Aérea n.°6, no Montijo. “Chega de hesitações. Este é o momento de avançar com uma decisão clara para as necessidades da região e do pais; uma decisão competitiva e comportável”, acrescentou.

Pedro Marques reafirmou que o aeroporto complementar do Montijo é “a única solução adequada, comportável e sustentável” no curto prazo, além de reunir o “consenso político suficiente para avançar”.

Segundo o governante, o futuro aeroporto do Montijo deverá contribuir com mais de 10 mil postos de trabalho, diretos e indiretos.

O documento assinado, numa cerimónia que contou com a presença do primeiro-ministro, do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, do chairman e do CEO da Vinci e do presidente da Vinci Airports, define os pressupostos financeiros e técnicos da solução escolhida – a chamada “Portela+1”. O investimento, num total de 1,747 milhões de euros, será integralmente assumido pela ANA – Aeroportos de Portugal, sem qualquer encargo para os contribuintes.

Numa primeira fase, recordou Pedro Marques, serão aplicados 1,326 milhões, dos quais 650 milhões em Lisboa e 520 milhões no Montijo, a que se somam ainda investimentos nas acessibilidades e na compensação à Força Aérea Portuguesa. Os restantes 421 milhões serão aplicados ao longo do prazo da concessão, que vigora até 2062.

A intenção da ANA é aplicar medidas de curto prazo no Humberto Delgado já este ano para responder à procura, intensificar o seu papel de hub, nomeadamente para a TAP, e receber alguma das maiores aeronaves do mundo (A380 e B747).

No âmbito das negociações com o Estado, ficou estabelecido, exemplifica Pedro Marques, o fecho da pista 17/35, que permitirá aumentar o atual espaço de estacionamento dos aviões. O projeto de expansão da Portela contempla ainda a ampliação de várias áreas, desde o check-in à recolha de bagagens ao processamento de raio-x.

Já o Montijo contará com uma pista de 2.400 metros e 36 posições de estacionamento para aviões. O futuro aeroporto complementar estará vocacionado para ligações ponto a ponto e terá capacidade para receber aeronaves de curto e médio curso, incluindo as que o Humberto Delgado hoje opera.

Na prática, permitirá que a Portela duplique o número de passageiros em Lisboa, para mais de 50 milhões por ano. Apesar dos constrangimentos, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas estima que o número de passageiros suba para 30 milhões já este ano.

Em contrapartida, a ANA poderá aumentar as taxas aeroportuárias, ainda que de forma mais ligeira, até 2% por ano, entre 2019 e 2022. Já a partir de 2023, as taxas só poderão crescer em função do volume de investimento e procura real da Portela.

Leia também: 10 respostas sobre o novo aeroporto do Montijo

Apesar de haver agora um acordo entre ambas as partes, o avanço do projeto do Montijo está dependente da declaração de impacte ambiental, assinala Pedro Marques, que garante: “Um qualquer acordo, ou cumpre integralmente as regras de segurança e ambientais ou nem sequer existirá. O Estado, a ANA e a ANAC [Autoridade Nacional de Aviação Civil] estão plenamente conscientes disso”. A recolha de informação complementar, solicitada pela Agência Portuguesa do Ambiente em 2018, deverá ser entregue ainda este mês de janeiro.

O entendimento acordado com a francesa Vinci destina mais 15 milhões de euros à construção de novas acessibilidades. Pedro Marques lembra que haverá uma nova ligação à ponte Vasco da Gama, o serviço fluvial entre o Montijo e o Cais do Sodré, em Lisboa, será reforçado e o novo aeroporto contará com um serviço de shuttle. Os encargos serão suportados pela concessionária.

*Última atualização às 18:42 com mais informação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
REUTERS/Pedro Nunes/File Photo

Programa de arrendamento acessível arranca a 1 de julho. Tudo o que deve saber

Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens

Governo questiona RTP sobre não transmissão de Jogos de Minsk

DHL Express Store2

DHL Express vai investir até 600 mil euros em rede de lojas pelo país

Outros conteúdos GMG
Aeroporto do Montijo cria 10 mil empregos