Turismo

Agência de viagens Expedia multada por vender viagens a Cuba

EPA/YANDER ZAMORA
EPA/YANDER ZAMORA

Em causa está a venda, através de filiais internacionais, de serviços de viagens a Cuba a pelo menos 2.221 pessoas, entre 2011 e 2014.

A agência de viagens ‘Expedia’ vai pagar quase 300 mil euros ao Governo norte-americano por violar as sanções económicas aplicadas por Washington a Cuba, informou o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos.

A empresa, com sede em Bellevue, no estado de Washington, terá violado o Regulamento para o Controlo dos Recursos Cubanos, o principal mecanismo da aplicação do embargo norte-americano à ilha.

Em causa está a venda, através de filiais internacionais, de serviços de viagens a Cuba a pelo menos 2.221 pessoas, entre 2011 e 2014.

O acordo firmado pelo Tesouro e a empresa refere que as aparentes violações ocorreram “porque certas afiliadas estrangeiras da Expedia não compreendiam e não estavam familiarizadas com as leis de sanções económicas dos EUA”.

“No que diz respeito a pelo menos uma filial estrangeira, a Expedia não informou a filial (…) que estava sujeita à lei e jurisdição dos Estados Unidos”, poder ler-se no documento.

No início deste mês, os Estados Unidos impuseram novas sanções contra Cuba e proibiram, além de viagens culturais e educacionais em grupo para a ilha, a exportação de barcos e aviões privados e comerciais.

Em abril, Washington, que acusa as autoridades cubanas de apoiar os regimes de Nicolás Maduro na Venezuela e de Daniel Ortega na Nicarágua, alargaram a “lista negra” de empresas cubanas que não podem beneficiar de transações financeiras diretas dos EUA.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Vista aérea da Praça dos Restauradores em Lisboa, Portugal, 24 Março de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A economia entrou em estado de quarentena

Lisboa, 10/05/2019 - Vida do Dinheiro (DN-TSF) - Isabel Furtado, presidente da Cotec e da TMG.
Isabel Furtado
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Covid-19: “Medidas têm de ser estratégicas e não apenas imediatas e impulsivas”

Ursula  von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Fotografia: Kenzo Tribouillard/AFP

Comissão Europeia vai rever proposta de orçamento da UE

Agência de viagens Expedia multada por vender viagens a Cuba