Aeroporto

Agentes do setor do Turismo pedem conclusão das obras no aeroporto de Lisboa

Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.
Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

Vários agentes do setor do Turismo, entre eles responsáveis da TAP, do setor imobiliário e da hotelaria, destacaram hoje, num encontro em Lisboa, a importância de se terminarem as obras no aeroporto da capital.

“Lanço mais uma vez o apelo para que no aeroporto de Lisboa as obras se iniciem o mais rapidamente, sejam concluídas o mais rapidamente, e que o Terminal 3, do outro lado do rio, no Montijo [referência ao novo aeroporto], possa ver a luz do dia também muito rapidamente”, pediu o presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho.

O responsável considerou este projeto “muito importante” para que a subida do turismo em Portugal “possa ser consolidada com qualidade”.

Já Frederico Costa, administrador do grupo hoteleiro Pestana, considerou o aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, “um pilar fundamental do desenvolvimento do turismo na próxima década”.

“Isto que ganhámos nos últimos anos, da criação de um ‘hub’ [base], que trouxe turistas do Brasil, dos Estados Unidos, e que agora está a trazer cada vez mais para Portugal, com grande poder aquisitivo, não se vai manter eternamente se não tivermos um aeroporto competitivo”, completou.

O administrador do grupo Pestana considerou “um ponto-chave e crucial” a manutenção do ‘hub’ de Lisboa que, caso não continue, poderá levar a que “outros destinos se desenvolvam mais depressa”.

O presidente executivo da Vanguard Properties (parceira da Amorim no ‘resort’ turístico da Comporta, em Grândola), José Cardoso Botelho, referiu que “o maior problema é mesmo o aeroporto [de Lisboa]”.

“Muitas vezes temos clientes que nos visitam e ficam muito aborrecidos com a receção que têm no aeroporto”, revelou.

Também presentes no mesmo painel estiveram o presidente da RTP, Gonçalo Reis, que disse que a estação “tem de estar sintonizada com as áreas de crescimento do turismo”, como os Estados Unidos, a China e África, alinhando a programação com esses mercados.

Já Celso Guedes de Carvalho, comissário de Portugal para a Expo 2020, que decorrerá no Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, mencionou a importância de se alargar o turismo a todo o território nacional.

O responsável português para a Expo 2020 afirmou que a presença nacional no certame tem como objetivo “o aumento de turistas daquela região” para Portugal, o aumento das exportações para aquela zona da Ásia e ainda captar investimento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
The World Economic Forum, Davos
Fabrice COFFRINI/AFP

Líderes rumam a Davos para debater a nova desordem mundial

Mário Centeno

Privados pedem ao Estado 1,4 mil milhões de euros em indemnizações

Luis Cabral, economista.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Luís Cabral: “Pobreza já não é só ganhar 2 dólares/dia”

Agentes do setor do Turismo pedem conclusão das obras no aeroporto de Lisboa