Agricultura

Agros contesta descida de um cêntimo no preço do leite pago ao produtor

8_milk copo leite

O Conselho de Administração da Agros garantiu hoje que está contra a descida do preço pago ao produtor por litro de leite

A empresa adiantou que já pediu uma reunião com a Lactogal para solicitar o retrocesso da medida.

“Fomos contra a proposta da Lactogal de redução do preço pago por litro de leite em um cêntimo. Por acreditarmos que a redução do preço […] foi uma medida tomada sem a devida ponderação das suas repercussões […] convocamos uma reunião do Conselho de Administração da Lactogal, para que seja deliberado a manutenção do preço do leite”, disse, em comunicado, a Agros.

No entanto, até ao momento, a Lactogal não deu resposta ao pedido.

De acordo com a Agros, é “uma contradição” avançar com medidas para reduzir o volume do leite recolhido para valorizar a matéria-prima e, por outro lado, “anunciar uma descida do preço pago por litro de leite”.

A união de cooperativas mostrou ainda desagrado contra os “avultados lucros” que a Lactogal teve nos últimos anos, uma vez que se trata “de uma empresa com raízes cooperativas em que o lucro não pode ser só o seu objetivo”.

A Agros disse também estar consciente dos “sacrifícios que se avizinham” e das dificuldades do setor.

“O futuro das organizações depende de as lideranças saberem enfrentar cada dificuldade como um novo desafio, encontrando as soluções de forma a conseguir sair ainda mais fortes, sendo que para esse desiderato é necessário ter em cada momento a capacidade de dar espaço àqueles que querem mais”, concluiu.

Na quinta-feira, mais de meio milhar de produtores de leite pediram a demissão da administração da Lactogal, empresa agroalimentar portuguesa, que acusam estar a prejudicar o setor que este ano já perdeu mais de 160 explorações de leite.

“Já temos contabilizadas 160 explorações que fecharam desde o dia 01 de janeiro até hoje”, avançou à Lusa Jorge Oliveira, presidente da Associação de Produtores de Leite de Portugal (APROLEP), durante a manifestação que decorreu no Porto, cidade onde está localizada a sede administrativa da Lactogal.

Por sua vez, a Lactogal disse “desconhecer as motivações” da associação de produtores de leite de Portugal que levou a convocar uma manifestação do setor do leite.

O Jornal de Notícias (JN) avançou na passada sexta-feira que a Lactogal está a pagar aos produtores para desistirem de fornecer leite.

O presidente da Associação dos Produtores de Leite de Portugal (Aprolep), Jorge Oliveira, disse à Lusa, no mesmo dia, que a Lactogal baixou, em 31 de julho, em um cêntimo o valor pago por litro de leite aos produtores, pouco após ter incentivado o setor a aderir a um resgate de leite (fim do fornecimento) ou redução dos contratos.

“A Lactogal tem excesso de produção […] e optaram por incentivar a diminuição da produção em cerca de 60 milhões de litros de leite. Estas medidas foram tomadas para ajudar a que o leite que ficava [cerca de 820 milhões de litros] fosse mais valorizado”, indicou.

De acordo com Jorge Oliveira, cerca de 100 produtores aceitaram parar o fornecimento, recebendo compensações de 20 cêntimos por litro, ou diminuíndo os contratos e auferindo compensações de 15 cêntimos por litro, mantendo o preço pago ao produtor nos 31 cêntimos.

No entanto, foram “surpreendidos” com o anúncio por parte da empresa de que receberiam menos um cêntimo por litro.

Segundo o presidente da Aprolep, o excedente de produção da empresa deve-se à perda de alguns contratos em Espanha, devido a medidas defensivas como a rotulagem de origem do leite.

Face a este cenário, a Aprolep apelou à intervenção de Bruxelas para que sejam introduzidas medidas para regular a produção.

Questionado pela Lusa, à data, o Ministério da Agricultura disse estar “legalmente impedido” de interferir nas operações de gestão da Lactogal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Partido Social Democrata, Rui Rio. JOSÉ COELHO/LUSA

Rui Rio vai propor ao PSD que chumbe o orçamento

Amoreira Óbidos

Espanha desapareceu do mapa e França descobriu o velho oeste português

António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

EDP quer exportar tecnologia do maior parque eólico flutuante do mundo

Outros conteúdos GMG
Agros contesta descida de um cêntimo no preço do leite pago ao produtor