Água

Água: Culpar famílias por grandes consumos é distorcer a mensagem

11_bottle water garrafa agua mineral copo

Os governos têm grandes responsabilidades na gestão da água no mundo, diz a diretora da parceria global Saneamento e Água para todos

Os governos têm grandes responsabilidades na gestão da água no mundo e cabe-lhes adotar políticas corretas, diz a diretora da parceria global Saneamento e Água para todos, que considera “distorção da mensagem” apontar o dedo aos consumidores.

Diretora executiva da “Sanitation and Water for All”, ex-relatora especial da ONU para a água e saneamento, Catarina Albuquerque diz à Lusa que faz em casa o que cada consumidor deve fazer, fechar torneiras e poupar água, mas acrescenta: “só que a água que consumimos em casa é 05% da água consumida no planeta”.

Por isso não entende que haja uma tendência para se ver os consumidores domésticos como os grandes gastadores, quando o setor da agricultura consome 70 e o da indústria 20% da água do mundo. “A mensagem tem de ser mais para eles do que para nós, há uma distorção da mensagem”.

Catarina Albuquerque falava à Agência Lusa a propósito do 8.º Fórum Mundial da Água, em Brasília na próxima semana (de 18 a 23), o maior evento global sobre a tema, organizado pelo Conselho Mundial da Água e no qual as alterações climáticas serão um dos temas em destaque.

“Com as alterações climáticas temos zonas do globo que estão a ficar mais secas e outras com chuvas muito intensas. Temos cada vez mais situações extremas”, disse Catarina Albuquerque, lembrando que a agravar o “stress hídrico” há cada vez mais consumo e hábitos de grandes gastos de água (piscinas e campos de golfe, por exemplo), o que faz com que na realidade haja menos água por pessoa.

Catarina Albuquerque foi a primeira relatora especial da ONU para a defesa do direito à água potável e ao saneamento e pela sua mão as Nações Unidas reconheceram a água e o saneamento como direitos universais.

Sabe que outro problema relacionado com a água tem a ver com as desigualdades, e lamenta que se invista mais para beneficiar as classes médias do que as pessoas mais pobres, uma prática até das grandes instituições financeiras internacionais.

“Acho que tem de haver um equilíbrio entre o que é investido nas grandes cidades e o que é investido para chegar às classes marginalizadas. Não estão a ser eliminadas essas desigualdades. Há países onde o stress hídrico vai aumentar exponencialmente nos próximos anos”, avisou.

É por isso que no futuro vê a água como causa de conflitos, embora preferisse ver a água como agende de paz e cooperação. Mas lembra que as guerras estão muitas vezes ligadas à posse de recursos naturais, e que “a água, ao contrário dos diamantes, é indispensável para a vida”.

Num futuro com menos água por pessoa a responsável diz que todos devem contribuir mas que é preciso “coragem para por o dedo na ferida”. Porque há países onde a água para a agricultura é mais barata do que para consumo humano, porque é preciso que os governos obriguem o setor privado a restringir os consumos, porque é preciso que as culturas se adaptem aos novos tempos, e porque “a água que devia estar a chegar às pessoas está a chegar ao algodão”.

Para produzir um par de calças são precisos 11 mil litros de água e um café “custa” 140 litros, diz Catarina Albuquerque, salientando que tem de haver “maior sensibilização para tudo isto” e que os próprios supermercados deviam promover a educação sobre o tema, a “pegada da água”, para que os consumidores possam fazer escolhas conscientes.

E no entender da especialista o futuro passa também pela reutilização da água. E cita o ator e ativista Matt Damon (um dos fundadores do portal www.water.org )para lembrar que 700 milhões de pessoas apenas têm acesso a água de muito pior qualidade do que aquela que nos países ocidentais se despeja nos autoclismos.

É desses temas que, disse à Lusa, falará no Fórum de Brasília na próxima semana, das desigualdades, do financiamento, da aposta nas partes menos visíveis do setor, da corrupção e da importância de não deixar ninguém para trás.

Esse é na verdade o grande objetivo do Saneamento e Água para Todos, uma parceria que junta países em desenvolvimento, doadores, agências multilaterais e sociedade civil. Que ninguém fique para trás.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Banca custou ao Estado mais 1,5 mil milhões de euros em 2019, agora ajude

coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Água: Culpar famílias por grandes consumos é distorcer a mensagem